Conheça o WTM Finance! Solicite Fechamento de Câmbio de sua Empresa via WhatsApp

Apetite por risco no exterior pressiona dólar ante real; política interna segue em foco

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar rondava a estabilidade contra o real nesta terça-feira, um dia antes da divulgação da decisão de política monetária do Banco Central, com os ruídos políticos domésticos compensando o dia de maior apetite por risco no exterior.

Às 10:41, o dólar avançava 0,05%, a 5,5249 reais na venda. O contrato mais líquido de dólar futuro caía 0,40%, a 5,5345 reais.

Nesta sessão, os mercados internacionais voltavam as atenções para países como a Itália e alguns Estados norte-americanos, que começam a relaxar medidas de isolamento em casa a partir desta semana.

A esperança de reabertura da economia elevava as expectativas de aumento da demanda por petróleo, o que melhorava o sentimento e colaborava para apostas mais arriscadas entre os investidores estrangeiros.

Divisas emergentes ou ligadas a commodities, como rand sul-africano, peso mexicano e dólar australiano, pares do real, registravam ganhos contra a moeda dos EUA nesta terça-feira.

No entanto, o clima doméstico no Brasil segue incerto após semanas de tensões entre os poderes e a saída de Sergio Moro do cargo de ministro da Justiça.

“No mercado local, informações de que o ministro Celso de Melo, do STF, poderá levantar ainda hoje o sigilo do depoimento do ex-ministro Sérgio Moro têm potencial para manter os agentes econômicos na defensiva e manter o viés de valorização do dólar ante o real”, disse em nota Ricardo Gomes da Silva, superintendente da Correparti Corretora.

Uma fonte com conhecimento do depoimento prestado por Moro à PF e ao Ministério Público Federal disse na segunda-feira que o ex-ministro citou, em depoimento no sábado, ministros do governo que presenciaram o presidente Jair Bolsonaro pressionando-o em relação à troca do comando da Polícia Federal.

“Já vamos continuar convivendo com dados macro ruins (…), e, no caso brasileiro, acrescenta-se ainda o cenário político”, disse à Reuters Denilson Alencastro, economista-chefe da Geral Asset, sobre os movimentos do câmbio. “Os rumos são difíceis de prever após a saída do ex-ministro Sergio Moro.”

Enquanto isso, os investidores ainda esperam o resultado da reunião de política monetária do Copom, que será divulgado na quarta-feira. Segundo pesquisa da Reuters, a expectativa é de mais um corte da Selic, a nova mínima histórica de 3,25%.

Os cortes sucessivos da taxa têm sido fator de pressão sobre o real, uma vez que reduzem os rendimentos de investimentos atrelados aos juros básicos, tornando o Brasil menos atraente quando comparado a países com juros maiores e nível de risco semelhante.

No ano de 2020, o dólar acumula alta de cerca de 37% contra a moeda brasileira.

Na segunda-feira, a moeda norte-americana à vista teve alta de 1,55%, a 5,5224 reais na venda.

O Banco Central ofertará nesta sessão até 10 mil contratos de swap cambial tradicional para rolagem, com vencimento em setembro de 2020 e janeiro de 2021.

Fonte: Investing.com

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Fale com um Consultor

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Informe os dados abaixo para receber um diagnóstico sem compromisso direto em seu WhatsApp!

Ligamos pra você!

Informe seus dados de contato para receber a ligação de um dos nossos consultores nos próximos minutos.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.