Conheça o WTM Finance! Solicite Fechamento de Câmbio de sua Empresa via WhatsApp

Após abrir em alta, dólar à vista perde força com exterior e realização de ganhos

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

O dólar à vista abriu em alta sob influência do exterior, mas perdeu força também lá fora, o que estimula uma realização de ganhos acumulados frente o real – de 3,78% na semana passada e de quase 35% neste ano.

No exterior, predominam ganhos leves nas bolsas, enquanto o dólar já devolveu parte da valorização de mais cedo ante divisas principais e perdeu força frente a moedas emergentes ligadas a commodities. O fôlego dos ativos americanos é limitado por dúvidas em torno das medidas de estímulo determinada pelo presidente Donald Trump via decretos executivos e após novas sanções da China a autoridades dos EUA, em resposta a retaliações semelhantes adotadas pelos americanos na semana passada.

No Brasil, a queda do dólar também é pequena diante da espera dos investidores pela da ata do Comitê de Política Monetária (Copom), amanhã, e devido a preocupações com o cenário fiscal no Brasil em meio a discussões sobre a extensão do auxílio emergencial, pago para tentar minimizar os efeitos da covid-19 e válido até este mês.

Ao longo da semana são aguardados ainda as vendas no varejo de junho (quarta-feira), pesquisa de serviços de junho (quinta-feira), IGP-10 de agosto, IBC-Br de junho e Pnad contínua do 2º trimestre (sexta-feira).

Às 9h33, o dólar à vista caía 0,25%, a R$ 5,4007, ante máxima após a abertura em R$ 5,4342. O dólar para setembro recuava 0,69%, a R$ 5,4070, após máxima em R$ 5,4390.

Mais cedo, a pesquisa Focus trouxe manutenção da projeção para IPCA deste ano em 1,6%, da Selic em 2,00% e para o PIB, a queda esperada passou de -5,66% para -5,62%.

Já o Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) voltou a ganhar força e subiu 0,54% na primeira quadrissemana de agosto, de 0,49% na divulgação anterior.

Fonte: Read More

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Fale com um Consultor

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Informe os dados abaixo para receber um diagnóstico sem compromisso direto em seu WhatsApp!

Ligamos pra você!

Informe seus dados de contato para receber a ligação de um dos nossos consultores nos próximos minutos.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.