Conheça o WTM Finance! Solicite Fechamento de Câmbio de sua Empresa via WhatsApp

Dólar abre em queda ante real com movimento externo, mas sentimento segue frágil

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar tentava firmar queda ante o real nesta quarta-feira, depois de um começo de pregão instável no qual replicou a volatilidade vista nas várias últimas sessões.

Às 11:26, o dólar recuava 0,65%, a 5,3504 reais na venda. A moeda abriu em queda de cerca de 0,6%, zerou o movimento, foi à máxima do dia ao subir 0,17%, tornou a cair até a mínima do dia (queda de 1,24%) antes de desacelerar as perdas.

“O BC deveria prestar atenção. A volatilidade intradiária nesse tamanho fez com que os robôs de opções de dólar parassem de colocar preço no mercado. Volatilidade é custo Brasil”, disse o gestor Alfredo Menezes, da Armor Capital.

No começo do mês, o diretor de Política Econômica do Banco Central, Fabio Kanczuk, afirmou que a autoridade monetária estava tentando identificar a causa do aumento elevado da volatilidade do câmbio e se ela era eficiente ou não, reconhecendo que esse movimento destoava do nível de volatilidade visto em outros países emergentes.

Há debates no mercado sobre a causa principal para isso, com alguns analistas lembrando a incerteza sobre o “lower bound” e eventuais influências suas no dólar.

O “lower bound” é o patamar de juros abaixo do qual a política monetária perderia eficácia ao estimular a economia. No fim de junho, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, disse que o BC entendia o “lower bound” como algo muito dinâmico. A autoridade monetária tem sinalizado que o próximo movimento na Selic será um corte residual.

Em apresentação nesta quarta, Campos Neto afirmou que os fluxos de capitais tendem a se acomodar e melhorar as contas externas do país. Mais fluxo é mais oferta de dólar, o que tenderia a baixar o preço da moeda. Em 2020, contudo, o fluxo cambial ao Brasil segue negativo.

No geral, o sentimento seguia fragilizado pelo ressurgimento de casos de Covid-19 no mundo e pelos riscos de seus potenciais efeitos econômicos.

Christopher Lewis, analista do DailyForex, avalia que a marca de 5,50 reais tem oferecido resistência nas últimas semanas, mas que é “apenas questão de tempo” antes de a moeda superá-la. Esse movimento abriria caminho para a região de 5,60 reais e, eventualmente, para máximas próximas de 6 reais.

“Acho que o nível de 5,0 será uma barreira significativa que deveria atrair muita pressão compradora. No fim, acho que neste momento é muito mais fácil comprar o par dólar/real do que vendê-lo, devido a todos os riscos associados com o Brasil e a América Latina”, disse.

Na B3, o dólar futuro tinha queda de 0,52%, a 5,3525 reais.

O dia era marcado ainda pelo resultado das vendas no varejo no Brasil, cujo crescimento acima do esperado para maio fortalecia esperanças de que o pior para a atividade tenha ficado para trás.

As vendas no varejo saltaram 13,9% em maio sobre abril, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), enquanto analistas consultados pela Reuters projetavam acréscimo de 6,0%. Na comparação anual, houve queda de 7,2%, abaixo do tombo de 12,1% previsto.

O BTG Pactual (SA:BPAC11) digital classificou os resultados como “muito acima da expectativa” e avaliou que, apesar do cenário “ainda repleto de incertezas, o forte crescimento deve animar investidores, na medida em que indica uma recuperação da atividade econômica”.

Mais cedo, a Fundação Getulio Vargas (FGV) divulgou que o IGP-DI subiu 1,60% em junho, mais que o esperado, com os preços do atacado acelerando e voltando a se elevar no varejo. A combinação de dados econômicos melhores e leituras de inflação mais altas pode barrar expectativas adicionais de cortes de juros pelo Banco Central, evitando nova deterioração nas análises de risco/retorno para o real.

No exterior, o índice do dólar ante uma cesta de moedas tinha queda de 0,5%. O dólar caía ainda mais contra divisas de risco como peso mexicano e peso chileno –que, assim como o real, se beneficiam de momentos de maior apetite por risco.

(Por José de Castro)

Fonte: Read More

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Fale com um Consultor

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Informe os dados abaixo para receber um diagnóstico sem compromisso direto em seu WhatsApp!

Ligamos pra você!

Informe seus dados de contato para receber a ligação de um dos nossos consultores nos próximos minutos.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.