Conheça o WTM Finance! Solicite Fechamento de Câmbio de sua Empresa via WhatsApp

Dólar cai com aumento do apetite a risco após vacina contra covid-19 da Rússia

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Após quatro altas consecutivas, o dólar opera em baixa sob influência do apetite por ativos de risco no exterior, após a notícia de uma primeira vacina contra covid-19 pela Rússia. A ata do Comitê de Política Monetária (Copom) reforça a percepção no mercado de Selic estável em 2,00% por muito tempo, limitando de certa forma a queda do dólar, além de um pano de fundo de cautela com a deterioração do quadro fiscal brasileiro, de acordo com operadores do mercado.

Na ata, o Banco Central reafirmou o tom “dovish” (mais leve) do comunicado, mantendo a porta aberta para um corte ao repetir que “eventuais ajustes futuros da Selic ocorreriam com gradualismo adicional” e que “o espaço remanescente para utilização da política monetária, se houver, deve ser pequeno”.

O comitê também avalia que “apesar de assimetria em balanço de riscos, o Copom não antevê reduções no grau de estímulo”, mantendo a sinalização do comunicado de que a Selic pode ficar em níveis bem baixos por muito tempo.

Como já terminou o período de silêncio dos membros do Copom, as atenções se voltam ao presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, que participa de evento sobre securitização no crédito imobiliário à tarde (16h30).

Durante a pandemia, Campos e demais integrantes do comitê têm participado de vários eventos virtuais e fornecido sinalizações importantes ao mercado.

No exterior, o apetite por ativos de risco aumentou depois do anúncio da primeira vacina contra a covid-19 pela Rússia nesta manhã. As bolsas internacionais ampliaram ganhos, enquanto a moeda americana se enfraqueceu mais.

Antes disso, o euro já havia ampliado ganhos frente o dólar, reagindo à divulgação do índice alemão ZEW de expectativas econômicas, que teve um inesperado avanço em agosto. E o índice DXY do dólar, que mede as variações da moeda americana frente a outras seis divisas relevantes, operava perto da estabilidade, em meio a expectativas de mais estímulos fiscais nos EUA e a recente escalada nas tensões entre americanos e chineses.

Às 9h20, o dólar à vista caía 0,86%, a R$ 5,4203. O dólar futuro para setembro recuava 1,12%, a R$ 5,4255.

Mais cedo, o Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (IPC-Fipe), que mede a inflação na cidade de São Paulo, subiu 0,28% na primeira quadrissemana de agosto, de 0,25% no fechamento de julho

Fonte: Read More

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Fale com um Consultor

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Informe os dados abaixo para receber um diagnóstico sem compromisso direto em seu WhatsApp!

Ligamos pra você!

Informe seus dados de contato para receber a ligação de um dos nossos consultores nos próximos minutos.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.