Conheça o WTM Finance! Solicite Fechamento de Câmbio de sua Empresa via WhatsApp

Dólar cai com dados da ADP e novo pacote de estímulos dos EUA no foco

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

O dólar opera em baixa, sob influência do exterior, mas chegou a subir de forma pontual em meio a ajustes de posições tendo em vista um pano de fundo de cautela local com possível novo corte da Selic hoje e o déficit fiscal público. Os investidores operam na expectativa de um acordo, em breve, em torno do novo pacote de estímulos fiscais em negociação no Congresso dos Estados Unidos.

O índice DXY do dólar, que mede as variações da moeda ante seis divisas fortes, atingiu as mínimas intradia logo após a divulgação do relatório de empregos no setor privado norte-americano.

Os EUA criaram 167 mil empregos no setor privado em julho, bem abaixo da expectativa de analistas, que previam criação de 1 milhão de postos de trabalho no último mês. Por outro lado, a geração de empregos de junho sofreu uma forte revisão para cima, de 2,396 milhões para 4,314 milhões.

A pesquisa da ADP é considerada uma prévia do relatório de emprego (payroll) dos EUA, que inclui dados do setor público e será divulgado nesta sexta-feira (07). Além disso, a balança comercial norte-americana registrou um déficit de US$ 50,7 bilhões em junho, maior do que o previsto pelos analistas (-US$ 50,3 bilhões).

No mercado local, há um compasso de espera pelo desfecho da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), após o fechamento dos negócios. Investidores esperam por um corte de 25 pontos-base da Selic, para 2,00%, e de uma sinalização sobre se o ciclo de afrouxamento monetário chegou ao fim. Ontem, a curva de juro precificava 26% de chance de mais um corte de 25 pontos-base em setembro.

As 9h58, o dólar à vista caía 0,29%, a R$ 5,2699. O dólar futuro para setembro recuava 0,26%, a R$ 5,2740.

Mais cedo foi divulgado que o Índice de Preços ao Consumidor – Classe 1 (IPC-C1) subiu 0,50% em julho, depois de uma alta de 0,33% em junho, segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV). O indicador é usado para mensurar o impacto da movimentação de preços entre famílias com renda mensal entre 1 e 2,5 salários mínimos.

Fonte: Read More

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Fale com um Consultor

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Informe os dados abaixo para receber um diagnóstico sem compromisso direto em seu WhatsApp!

Ligamos pra você!

Informe seus dados de contato para receber a ligação de um dos nossos consultores nos próximos minutos.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.