Conheça o WTM Finance! Solicite Fechamento de Câmbio de sua Empresa via WhatsApp

Dólar cai em ajustes após escalar a máximas em três meses

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar à vista fechou em leve queda ante o real nesta segunda-feira, longe das mínimas da sessão, com as oscilações no mercado de câmbio se estabilizando na parte da tarde em meio a variações discretas nas moedas também no exterior, num dia marcado por otimismo sobre tratamentos contra a Covid-19.

O dólar interbancário caiu 0,22%, a 5,5942 reais na venda. Na mínima, atingida ainda na primeira hora de negócios, desceu a 5,5593 reais (-0,85%) e, na máxima (alcançada por volta de 11h30), tocou 5,613 reais (+0,11%).

O dólar futuro chegou ao fim da tarde em queda de 0,60%, a 5,5950 reais.

De forma geral, a sessão teve poucos drivers domésticos, o que abriu espaço para alguma acomodação do câmbio depois de uma semana passada de maior pressão por causa de renovados temores fiscais.

No meio da tarde, quando o dólar era cotado por volta de 5,57 reais, notícia de que o governo decidiu adiar o anúncio do pacote de medidas econômicas previsto inicialmente para terça-feira ajudou a alimentar alguma pressão de compra de dólares, que na sequência voltou a superar 5,60 reais, fechando o pregão perto desse patamar.

O pacote de medidas prometido pela equipe econômica é visto como uma oportunidade de o governo enviar forte sinal ao mercado sobre gestão responsável das contas públicas. Ruídos internos na área econômica do governo e com outros ministérios geraram apreensão sobre riscos de aumento adicional de gastos depois de 2020, o que comprometeria a confiança na trajetória fiscal.

Na semana passada, o dólar emendou a quarta semana consecutiva de valorização –o que não ocorria desde o fim de abril–, amparado pelo somatório de desconforto fiscal doméstico e reavivamento da divisa no exterior.

Para estrategistas do BNP Paribas (PA:BNPP), a volatilidade do real, já a maior do mundo entre as moedas relevantes, deve persistir nos próximos meses conforme o mercado segue com as atenções voltadas para os problemas fiscais do Brasil, mas eles também avaliaram que o posicionamento técnico contra a divisa brasileira já está “sobrecarregado”.

Além disso, os profissionais citaram melhora em outras métricas, como, por exemplo, a conta corrente brasileira.

“Estamos entrando numa situação em que a melhora dos termos de troca (por exemplo) em algum momento aumenta as chances de algum repasse para os preços (do câmbio)”, disse Gabriel Gersztein, estrategista-chefe global para mercados emergentes do banco francês.

O real cai 28,27% neste ano, pior desempenho global, em parte pelas incertezas fiscais e pela queda expressiva nas taxas de retorno pagas pela renda fixa brasileira, na esteira da baixa da Selic a mínimas recordes.

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou nesta segunda-feira que o limite mínimo para a Selic não é intransponível, destacando que ele está sendo experimentado mas que é preciso cautela para ir além.

Fonte: Read More

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Fale com um Consultor

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Informe os dados abaixo para receber um diagnóstico sem compromisso direto em seu WhatsApp!

Ligamos pra você!

Informe seus dados de contato para receber a ligação de um dos nossos consultores nos próximos minutos.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.