Conheça o WTM Finance! Solicite Fechamento de Câmbio de sua Empresa via WhatsApp

Dólar cai mais de 3% com realização de lucros após rali

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar acelerava expressivamente a queda nesta terça-feira, chegando a cair mais de 3%, o que fazia do real de longe a moeda com melhor desempenho no mundo neste pregão, com operadores realizando lucros depois do rali recente do dólar.

A cotação está em queda desde o começo do dia e intensificou as perdas a partir do fim da manhã. Na mínima, desceu a 5,4720 reais na venda, desvalorização de 3,39%.

Às 15:28, o dólar recuava 2,97%, a 5,4955 reais na venda. Mantida essa variação até o fim do dia, será o maior recuo diário desde 8 de junho de 2018, quando fechou com depreciação de 5,59%.

O comentário no mercado é que o desmonte de posições em dólar pode estar relacionado à percepção de que, com a saída de Sergio Moro do governo, o presidente Jair Bolsonaro poderia se sentir mais “dependente” do ministro da Economia, Paulo Guedes. Os dois formavam a dupla de “superministros”, vistos como importantes suportes ao presidente junto à opinião pública e ao mercado financeiro.

Uma turbulência contínua nos mercados –como a vista na semana passada na esteira da atribulada saída de Moro– poderia prejudicar mais a avaliação geral sobre o governo.

Na véspera, Bolsonaro deixou claro que Guedes continua com a palavra final nos gastos federais, dizendo que “o homem que decide economia no Brasil é um só, chama-se Paulo Guedes”, numa demonstração pública de apoio ao ministro, que havia atraído especulações de que poderia ser o próximo a deixar o governo depois de Moro.

Junto à percepção de renovado fôlego de Guedes no governo, o recente fortalecimento das intervenções do Banco Central e o nível já esticado do dólar, após um rali de 11,3% entre 9 e 24 de abril, davam ao mercado argumentos para realizar lucros no câmbio.

“O real me parece muito subvalorizado”, disse Robin Brooks, economista-chefe do Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês). Segundo ele, a desvalorização aproximou o prêmio de risco em real dos vistos em alguns países mais afetados, como Turquia, Ucrânia e África do Sul.

Em 2020, o real cai 27% (dólar sobe 37%), o que deixa a moeda brasileira na lanterna de uma lista de 34 rivais do dólar.

Na B3, o dólar futuro tinha queda de 2,71%, a 5,5030 reais nesta sessão.

(Por José de Castro)

Read More

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Fale com um Consultor

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Informe os dados abaixo para receber um diagnóstico sem compromisso direto em seu WhatsApp!

Ligamos pra você!

Informe seus dados de contato para receber a ligação de um dos nossos consultores nos próximos minutos.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.