Conheça o WTM Finance! Solicite Fechamento de Câmbio de sua Empresa via WhatsApp

Dólar cai para R$ 5,38 com promessa de reforma e compromisso fiscal do governo

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

A promessa do governo de avançar com reformas estruturais e cumprir o teto de gastos ajudou o real a ter o melhor desempenho nesta terça-feira ante o dólar no mercado internacional, considerando uma cesta de 34 moedas mais líquidas. A divisa americana recuou nos emergentes, em meio a bons indicadores da economia dos Estados Unidos, mas declarações de Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, fizeram investidores desmontar parte de posições defensivas no dólar, mesmo após a queda histórica do Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre.

Após encostar em R$ 5,50 na segunda-feira, o dólar operou em queda toda a terça-feira, para encerrar os negócios no mercado à vista em baixa de 1,74%, cotado em R$ 5,3852, o menor nível desde 6 de agosto.

Na mínima do dia, operou na casa dos R$ 5,33. No mercado futuro, o dólar para liquidação em outubro era negociado em queda de 1,92% às 17 horas, em R$ 5,3930.

“Se o governo perder a capacidade de convencer os agentes econômicos da sustentabilidade da dívida pública, até podemos ver um risco de melhora no curto prazo para o crescimento econômico, mas seguido por significativa repressão financeira e expansão menor no PIB de médio prazo”, comentam os economistas para Brasil do JP, Cassiana Fernandez e Vinicius Moreira.

Ao mesmo tempo, se o governo conseguir avançar com as reformas, como Guedes prometeu, mesmo que ocorra algum crescimento dos gastos, a perspectiva de médio prazo para o PIB do Brasil pode melhorar, ressalta o JP.

O banco americano melhorou a projeção de queda do PIB do Brasil em 2020, de um tombo de 6,2% para queda de 5,2%. Uma das razões foi a prorrogação do auxílio emergencial, até dezembro, confirmada nesta terça de manhã pelo governo e agora com parcelas de R$ 300, que deve continuar apoiando a recuperação de curto prazo da atividade econômica.

Também pela manhã, Bolsonaro prometeu entregar na quinta-feira uma proposta de reforma administrativa ao Congresso e, em seguida, Guedes reiterou o compromisso com reformas e com o teto. “Um teto sem paredes acaba caindo, e as paredes são as reformas econômicas”, disse o ministro aos parlamentares.

“Avanço da reforma administrativa, definição do auxílio emergencial e dados mostrando recuperação da atividade tanto na China como nos Estados Unidos acabam alimentando o apetite ao risco”, afirma o economista da Advanced Corretora, Alessandro Faganello.

Ele menciona ainda o reiterado compromisso do governo com o teto e a alta do índice dos gerentes de compra (PMI, na sigla em inglês) do setor industrial do Brasil em agosto para 64,7 – o maior nível da série histórica. Como reflexo, o Ibovespa subiu 2,8%, superando os 102 mil pontos.

Fonte: Read More

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Fale com um Consultor

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Informe os dados abaixo para receber um diagnóstico sem compromisso direto em seu WhatsApp!

Ligamos pra você!

Informe seus dados de contato para receber a ligação de um dos nossos consultores nos próximos minutos.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.