Conheça o WTM Finance! Solicite Fechamento de Câmbio de sua Empresa via WhatsApp

Dólar fecha em alta de mais de 1% e renova máxima em 3 semanas com exterior

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar emendou a terceira alta consecutiva nesta terça-feira, quando mais uma vez flertou com a resistência de 5,5000 reais, com o mercado abalado por alertas sobre riscos à economia dos Estados Unidos em meio a persistentes efeitos da pandemia.

A ausência de notícias melhores no plano doméstico abriu caminho para o dólar seguir o exterior e fechar em alta de mais de 1%.

No mercado à vista, a cotação avançou 1,26%, a 5,4682 reais na venda, nova máxima desde 31 de agosto (5,4807 reais).

O fortalecimento do dólar ocorreu na parte da tarde, quando, por volta de 14h, a divisa bateu a máxima da sessão (de 5,4975 reais, alta de 1,81%). Na mínima, atingida ainda pela manhã, caiu a 5,3839 reais (-0,30%).

A tomada de fôlego do ativo coincidiu com o início da fala do chair do Federal Reserve, Jerome Powell, em audiência em comitê da Câmara dos Deputados dos EUA. Powell voltou a adotar um tom geral mais sombrio sobre as perspectivas econômicas e disse que “o caminho à frente continua sendo altamente incerto” e mais uma vez citou a importância de aprovação de novo estímulo fiscal.

Também nesta terça, o presidente do Federal Reserve de Chicago, Charles Evans, disse que a economia dos EUA corre risco de enfrentar uma recuperação mais longa e lenta, se não outra recessão total, caso o Congresso não aprove um pacote fiscal, citando ainda chances de alta de juros mesmo que a inflação não alcance 2%.

E o presidente do Federal Reserve de Richmond, Tom Barkin, afirmou que mercado de trabalho pode não se recuperar totalmente até que haja uma vacina ou outro tratamento que ajude os norte-americanos a se sentir seguros.

O dólar saltava 0,4% ante uma cesta de moedas, indo às máximas em quase dois meses. Moedas emergentes lideravam as perdas globais ante o dólar, com destaque negativo para peso mexicano (-1,5%), peso colombiano (-1%) e real (-1,25%), todas da América Latina –região do mundo mais atingida pela pandemia de Covid-19.

Veja gráfico do dólar/real e do índice do dólar frente a uma cesta de moedas:

Fernando Bergallo, CEO da FB Capital, afirmou ainda que o discurso do presidente norte-americano, Donald Trump, na Assembleia Geral da ONU –com tom ainda beligerante em relação à China– acabou elevando o desconforto do mercado, uma vez que mostra que a relação entre as duas maiores potências do mundo segue instável.

“E aqui seguimos sem notícias boas, ainda com a sombra da possibilidade de furo do teto de gastos. Mesmo sem atualização negativa (no noticiário), o mix todo de sinais ainda é ruim”, afirmou.

Em entrevista à Reuters, o secretário do Tesouro Nacional, Bruno Funchal, disse que o Brasil não conta com espaço para errar na gestão das contas públicas no pós-pandemia. A declaração vem em meio a dias de intensa pressão no mercado de renda fixa por apreensão sobre a trajetória da dívida e, defendem alguns, também o patamar da Selic.

Na ata da última reunião de política monetária do Banco Central, divulgada mais cedo, o Copom indicou que as condições para sua sinalização de que a taxa Selic não deve subir seguem de pé. Na semana passada, o colegiado manteve o juro básico na mínima recorde de 2% ao ano.

Fonte: br.investing.com

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Fale com um Consultor

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Informe os dados abaixo para receber um diagnóstico sem compromisso direto em seu WhatsApp!

Ligamos pra você!

Informe seus dados de contato para receber a ligação de um dos nossos consultores nos próximos minutos.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.