Conheça o WTM Finance! Solicite Fechamento de Câmbio de sua Empresa via WhatsApp

Dólar fecha em queda cotado em R$ 5,28 após dia volátil e precupação fiscal

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

O dólar teve novo dia volátil, mas firmou queda no final da tarde, acompanhando o exterior. A moeda americana nesta terça-feira, 4, ora devolveu parte da forte valorização de ontem, ora operou pressionada pelo temor de mais piora fiscal no Brasil e ainda de novos cortes de juros. No exterior, a divisa dos Estados Unidos teve dia de queda, ainda influenciada pelo crescimento de casos de coronavírus no país e o impasse para a aprovação de uma novo pacote fiscal em Washington, ainda sem acordo, mas com sinalização dos democratas de que está avançando. Houve ainda relatos de fluxo de entrada de capital externo.

O dólar à vista terminou a terça-feira em queda de 0,53%, cotado em R$ 5,2857. No mercado futuro, o dólar para setembro operava em baixa de 0,67%, a R$ 5,2935 às 17h50.

O temor sobre as contas fiscais brasileiras, já muito deterioradas, aumentou com a discussão em Brasília para a extensão do auxílio emergencial até dezembro, ajudando a pressionar o câmbio. “Os riscos de curto prazo pendem em direção a mais deterioração nas contas fiscais”, alertam os estrategistas do banco americano Citi. No longo prazo, o risco é a extensão do estado de calamidade até o final 2021, o que abre espaço para mais gastos públicos, conforme revelado pelo Broadcast Político. Essa seria uma das principais “bandeiras vermelhas”, alerta o Citi.

Para o estrategista e sócio da TAG Investimentos, Dan Kawa, o aumento do risco fiscal vem ganhando corpo nos últimos dias e uma das mostra é a depreciação recente do real, a queda do Ibovespa e o aumento da inclinação da curva de juros. O gestor observa que tem visto “sinais preocupantes” no ambiente político em tentar utilizar a pandemia como “desculpa” ou como um “caminho” mais fácil para aumentar gastos públicos.

O mercado, avalia Kawa, ainda deve dar o benefício da dúvida ao governo e ao Congresso, esperando que após a pandemia, o País volte a adotar uma postura de austeridade fiscal. Se esta esperança for perdida, pode haver forte pressão nos ativos locais e o comportamento dos últimos dias é uma prova do que pode vir. Na máxima hoje, o dólar encostou nos R$ 5,38.

Fonte: Read More

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Fale com um Consultor

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Informe os dados abaixo para receber um diagnóstico sem compromisso direto em seu WhatsApp!

Ligamos pra você!

Informe seus dados de contato para receber a ligação de um dos nossos consultores nos próximos minutos.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.