Conheça o WTM Finance! Solicite Fechamento de Câmbio de sua Empresa via WhatsApp

Dólar fecha perto da estabilidade à espera de detalhes do Renda Cidadã

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

O mercado de câmbio teve uma sessão volátil nesta terça-feira, 29, mas bem menos tensa que a de ontem, quando o dólar fechou no maior nível em quatro meses e investidores estrangeiros elevaram apostas contra o real em US$ 1,3 bilhão no mercado futuro da B3 (SA:B3SA3). À espera dos desdobramentos e detalhes sobre o financiamento do Renda Cidadã, programa que vai substituir o Bolsa Família, e ajudado pela queda da divisa dos Estados Unidos nos emergentes e países exportadores de commodities, antes do primeiro debate presidencial no país, o dólar fechou perto da estabilidade.

No encerramento, a moeda americana teve leve alta de 0,07% no mercado à vista, para R$ 5,6393. No mercado futuro, o dólar para outubro, que vence amanhã, recuava 0,34% às 17h45, cotado em R$ 5,6420.

“Ainda está tudo muito obscuro sobre o Renda Cidadã. É tudo o que o mercado não precisava neste momento de elevada incerteza”, avalia a economista-chefe da Reag Investimentos, Simone Pasianotto. Entre as principais dúvidas, ela ressalta que os investidores querem saber qual o impacto fiscal do programa e como fica o efeito nos bancos, que têm muitos precatórios em carteira. “O ideal era que ontem já fosse apresentada a proposta concreta, com os detalhes.”

Na sessão desta terça-feira, como os detalhes não foram explicados, o câmbio não se distanciou do fechamento de ontem. O presidente Jair Bolsonaro disse que vender estatais para financiar o programa é uma possibilidade a ser avaliada, mas a privatização é um processo que leva tempo, ressaltou. Já o relator da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Pacto Federativo, senador Márcio Bittar (MDB-AC) disse que o governo não vai recuar do uso de precatórios e recursos do Fundeb, que financia a educação, para bancar o novo programa social.

O estrategista da TAG Investimentos, Dan Kawa, comenta que após a forte reação negativa, a expectativa é que parte da proposta – que inclui um “fura teto” e uma “pedalada fiscal” – seja abandonada. “Fica clara a incapacidade deste governo e do Congresso em avançar com medidas de ajuste fiscal focadas na contenção de custos.” A esperança, observa Kawa, é que o ajuste fiscal prossiga, mas os sinais são preocupantes. Nesse ambiente, ele espera muita volatilidade nos mercados até o final do ano.

A piora do cenário fiscal já levou o banco americano Citi a reduzir a projeção de crescimento do Brasil em 2021 de 3,5% para 3%. O banco vê o real 15% mais depreciado do que os fundamentos sugerem e o governo rompendo o teto no ano que vem em R$ 75 bilhões. Já o grupo financeiro suíço Julius Baer avalia que a credibilidade fiscal do Brasil sofre novo golpe com o anúncio do Renda Cidadã e prevê forte venda de ativos do Brasil se o teto de gastos, principal âncora fiscal do País, for abandonado.
Fonte: br.investing.com

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Fale com um Consultor

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Informe os dados abaixo para receber um diagnóstico sem compromisso direto em seu WhatsApp!

Ligamos pra você!

Informe seus dados de contato para receber a ligação de um dos nossos consultores nos próximos minutos.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.