Conheça o WTM Finance! Solicite Fechamento de Câmbio de sua Empresa via WhatsApp

Dólar fecha perto das mínimas com fraqueza da moeda no exterior; mercado aguarda Copom

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar fechou em queda ante o real nesta terça-feira, abandonando alta de 1,20% mais cedo na esteira da perda de vigor da moeda no exterior, com investidores de olho nas negociações sobre novo pacote de estímulos nos Estados Unidos.

O dólar à vista caiu 0,57%, a 5,2838 reais na venda. Na máxima, foi a 5,3781 reais, antes de na mínima tocar 5,2833 reais (-0,58%).

Na B3, o dólar futuro recuava 0,73%, a 5,2910 reais, às 17h05.

No exterior, o índice do dólar frente a uma cesta de moedas de países ricos caía 0,31% no fim da tarde, após subir 0,33% na máxima do dia. Analistas debatem se mais uma rodada trilionária de estímulos nos EUA poderia elevar ainda mais expectativas de inflação e empurrar os rendimentos reais dos Treasuries para níveis ainda mais negativos –prejudicando o status do dólar como moeda forte.

Veja o comportamento do dólar/real e do índice do dólar ante cesta de moedas nesta terça-feira:

No Brasil, analistas monitoram ainda a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central sobre a política monetária, com estimativa de consenso de novo corte de 0,25 ponto percentual da Selic, para mínima recorde de 2,00% ao ano, mas sinalização de barra mais alta para reduções adicionais.

Isso ajudaria a conter a queda dos retornos da renda fixa brasileira (que atualmente oferece taxas mais baixas do que as de outros mercados emergentes), dando algum suporte a expectativas de retorno de ingresso de dólares para investimentos em carteira –o que elevaria a oferta de moeda no mercado doméstico e poderia baixar o preço do dólar.

Por ora, analistas do Morgan Stanley (NYSE:MS) ainda preferem evitar posições em real contra o dólar, mas veem “upside” (espaço para alta) ante o peso mexicano.

“A dinâmica de crescimento (econômico do Brasil) continua favorecendo o real, onde o consenso começou a reconhecer o Brasil como tomando a frente da recuperação econômica e melhorando as projeções para o PIB deste ano, com base na pesquisa Focus. Esse não é o caso do México”, disseram profissionais do banco norte-americano em relatório.

“Junto a isso, nossa estrutura quantitativa aumentou recentemente a alocação de reais na esteira da melhora do impulso nos mercados de ações”, acrescentaram.

O real subia 1,1% contra o peso mexicano nesta terça., quando a moeda do México perdia 0,6% ante o dólar.

Fonte: Read More

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Fale com um Consultor

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Informe os dados abaixo para receber um diagnóstico sem compromisso direto em seu WhatsApp!

Ligamos pra você!

Informe seus dados de contato para receber a ligação de um dos nossos consultores nos próximos minutos.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.