Conheça o WTM Finance! Solicite Fechamento de Câmbio de sua Empresa via WhatsApp

Dólar registra leve baixa, sem impulso com pacote fiscal e Fed no radar

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

O dólar caiu nesta quinta, 8, ante outras moedas principais, sem muito impulso, com investidores atentos às idas e vindas na negociação sobre novo estímulo fiscal nos Estados Unidos. Houve ainda vários discursos do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), enquanto na Europa a ata do Banco Central Europeu (BCE) foi avaliada.

No fim da tarde em Nova York, o dólar caía a 106,03 ienes, o euro recuava a US$ 1,1757 e a libra tinha alta a US$ 1,2932. O índice DXY, que mede o dólar ante uma cesta de moedas fortes, registrou baixa de 0,03%, a 93,605 pontos.

O dólar não mostrou grande impulso, oscilando perto da estabilidade ao longo do dia. Na agenda de indicadores, os novos pedidos de auxílio-desemprego nos EUA recuaram 9 mil na semana, a 840 mil, mas analistas ouvidos pelo Wall Street Journal previam 825 mil.

À tarde, o dólar não mudou de direção mesmo após a presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, sugerir que pode não apoiar medidas parciais de estímulo fiscal, almejando ainda um pacote abrangente sobre o tema. Entre os dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), vários reforçaram a importância de estímulo fiscal neste momento.

A eleição americana também segue no radar dos investidores. A Western Union comenta em relatório que caso se fortaleça a chance de vitória do democrata Joe Biden, isso pode pressionar o dólar, com a possibilidade de mais estímulo fiscal.

Na Europa, a ata do BCE mostrou que os dirigentes continuam a concordar sobre a manutenção de estímulos amplos. Para o BK Asset Management, o euro deve passar por uma correção em breve. O banco de investimentos aponta como argumentos: uma nova onda da covid-19 na Europa; o risco de novas paralisações parciais na atividade por causa do problema de saúde; a chance de que o BCE relaxe mais a política monetária; e também a incerteza com as eleições americanas.
Fonte: br.investing.com

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Fale com um Consultor

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Informe os dados abaixo para receber um diagnóstico sem compromisso direto em seu WhatsApp!

Ligamos pra você!

Informe seus dados de contato para receber a ligação de um dos nossos consultores nos próximos minutos.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.