Conheça o WTM Finance! Solicite Fechamento de Câmbio de sua Empresa via WhatsApp

Dólar salta 9,6% em 3 semanas seguidas de alta por incerteza sobre exterior e BC

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) – O mercado de câmbio no Brasil voltou a registrar pregão de forte volatilidade nesta sexta-feira, com o dólar chegando a disparar novamente mais de 3% e fechando na máxima em um mês, em meio a um exterior avesso a risco e à percepção de que o Banco Central está minimizando o constante vaivém nos preços da moeda.

O dólar à vista encerrou em alta de 2,58%, a 5,4652 reais na venda, maior valor desde 22 de maio (5,5739 reais na venda).

A cotação operou com ganhos durante todo o pregão. Na máxima, saltou 3,12%, a 5,494 reais, e na mínima subiu 0,76%, para 5,3685 reais.

O real, de longe, foi a moeda de pior desempenho nesta sessão.

Na semana, o dólar acumulou apreciação de 2,76%. É a terceira semana consecutiva de alta, período em que subiu 9,57%.

Na quarta-feira, o dólar fechou em forte alta de 3,33%, um dia depois de cair 2,26%. Na quinta, a cotação oscilou entre ganho de 1,06% e queda de 1,07%. Na semana passada, a moeda acumulou salto de 5,41%, o mais forte desde a semana finda em 8 de maio.

Os números evidenciam a volatilidade realizada (passada), mas pelos dados da volatilidade implícita (futura) a intensa oscilação dos preços deve persistir.

A volatilidade implícita nas opções de dólar/real para três meses subiu nesta sexta para 21,7%, máxima desde meados de março, quando os mercados estavam sob forte pressão decorrente da pandemia de coronavírus. A volatilidade implícita –uma medida da incerteza sobre a taxa de câmbio– para o real é a maior entre as principais moedas emergentes.

“Num curto período de tempo, a taxa de câmbio dá um salto quântico de R$4,00 para R$6,00, volta para R$4,80 e pula para R$5,50. Variações cambiais diárias da ordem de 2, 3, 4%!”, escreveu no Twitter Sergio Goldenstein, que já chefiou o Departamento de Operações de Mercado Aberto do Banco Central.

“O que fazer? Antes de tudo, o BC não minimizar a elevada volatilidade e atuar de forma mais incisiva, o que tornaria menos interessante a utilização da moeda como hedge. Em segundo lugar, interromper o processo de queda de juros”, acrescentou, questionando o benefício à atividade a partir de um juro real ainda mais negativo e apontando risco de a economia ser afetada pela instabilidade da moeda e seus efeitos sobre horizonte para investimentos e indicadores de confiança.

Na véspera, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, reconheceu que a volatilidade no Brasil está um pouco maior, mas afirmou que isso não significa que está piorando consistentemente. Campos Neto avaliou que a atuação da autoridade monetária tem sido bem sucedida no mercado cambial, sublinhando que a forma de intervir do BC não é para estabelecer nenhuma banda ou limite para o câmbio.

Nesta sexta, o BC voltou a recorrer à venda de dólares à vista, o que não acontecia desde o último dia 1º. A autoridade monetária colocou 502,5 milhões em moeda spot. O dólar saiu das máximas, mas permaneceu em firme alta até o fim da sessão, e o real seguiu como a divisa de pior desempenho no dia.

O BC também fez nesta sexta colocação de 1,5 bilhão de dólares para rolagem de linhas de dólares com compromisso de recompra e de 12 mil contratos de swap cambial tradicional –também para rolagem.

Analistas dizem que a volatilidade no câmbio, além de associada ao ambiente externo ainda incerto, é intensificada por dúvidas no plano fiscal –que, contudo, não impediram o BC de cortar a Selic recentemente, reduzindo ainda mais a atratividade do real.

“Preservar a estabilidade fiscal em meio a preocupações com as contas públicas garante uma abordagem ‘cautelosa’ em relação a afrouxamento monetário, conforme repentinas saídas de recursos e depreciação cambial podem desancorar expectativas de inflação e forçar o Banco Central a elevar os juros no momento em que a recuperação precisa de taxas baixas”, disseram analistas do Morgan Stanley (NYSE:MS) em nota.

O movimento do câmbio nesta sessão também foi influenciado pelo exterior, onde mais uma vez predominaram temores sobre uma segunda onda de infecções por Covid-19, especialmente nos EUA. No fim da tarde, o dólar subia 1,6% ante peso mexicano e 1,4% contra rand sul-africano –assim como o real, moedas de risco. O índice S&P 500 da Bolsa de Nova York caiu 2,35%, enquanto o Ibovespa cedeu 2,42% –ambos segundo dados preliminares.

Fonte: Read More

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Fale com um Consultor

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Informe os dados abaixo para receber um diagnóstico sem compromisso direto em seu WhatsApp!

Ligamos pra você!

Informe seus dados de contato para receber a ligação de um dos nossos consultores nos próximos minutos.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.