Conheça o WTM Finance! Solicite Fechamento de Câmbio de sua Empresa via WhatsApp

Dólar salta mais de 1% ante real em dia de aversão a risco no exterior

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar começou a semana em alta frente ao real, alavancado por uma terça-feira de fortalecimento da divisa norte-americana no exterior em meio a nova sessão de busca por ativos de segurança diante de incertezas sobre a economia global.

A cotação, porém, terminou a alguma distância da máxima da sessão pós feriado, com a taxa de câmbio mantendo-se abaixo de 5,40 reais por dólar.

O dólar à vista subiu 1,09%, a 5,3662 reais na venda. No pico do dia, alcançado às 10h46, a divisa saltou 1,92%, para 5,4103 reais. Na mínima, atingida às 14h21, o dólar marcou 5,3167 reais, leve alta de 0,16%.

Na B3, o dólar futuro tinha valorização de 1,26%, a 5,3710 reais, às 17h10.

O mercado doméstico de forma geral seguiu o movimento das moedas no exterior. O índice do dólar contra uma cesta de moedas subia 0,38%, para máximas em quatro semanas. Divisas emergentes pares do real –como peso mexicano (-0,7%), rand sul-africano (-1,2%) e lira turca (-0,4%)– perdiam terreno.

Preocupações renovadas sobre o Brexit e uma nova onda de vendas em ações do setor de tecnologia em Wall Street pesaram sobre o sentimento do investidor, que puniu ativos mais arriscados, como moedas emergentes. Em carta mensal a cotistas do fundo Nimitz, a SPX Capital –uma das maiores gestoras de recursos independentes do Brasil e que tem como sócio-fundador Rogério Xavier– informou que havia zerado posições compradas em setor de tecnologia nos mercados internacionais de ações e que mantinha apostas na queda de divisas emergentes. O fato de o dólar ter caído frente ao real nas últimas sessões abaixo de médias móveis de 50 e 100 dias também serve como limitador a novas quedas no curto prazo. A moeda recuou 5,73% entre 26 de agosto (quando bateu máxima em três meses) e 3 de setembro, quando fechou na mínima em um mês.

No dia 4 de setembro, na sexta-feira, sessão passada, o mercado de câmbio já havia dado uma pausa no movimento recente de baixa, com o dólar encerrando em alta de 0,33%. Os mercados não funcionaram no Brasil na segunda-feira, Dia da Independência.

Fonte: br.investing.com

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Fale com um Consultor

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Informe os dados abaixo para receber um diagnóstico sem compromisso direto em seu WhatsApp!

Ligamos pra você!

Informe seus dados de contato para receber a ligação de um dos nossos consultores nos próximos minutos.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.