Conheça o WTM Finance! Solicite Fechamento de Câmbio de sua Empresa via WhatsApp

Dólar se aprecia ante rivais e emergentes, após semana de aversão ao risco

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

O dólar se fortaleceu na comparação com rivais e emergentes nesta sexta, 25, favorecido por um cenário de incertezas sobre a economia global que estimula a demanda pela segurança da divisa norte-americana.

No fim da tarde em Nova York, o dólar avançava a 122,84 ienes. O índice DXY, que mede a variação da moeda dos Estados Unidos frente a uma cesta de seis principais, fechou em alta de 0,30%, a 94,595 pontos, subindo 1,84% na semana.

“A maior fonte de fortalecimento do dólar está em voga outra vez, que é a piora nas perspectivas para o crescimento global, enquanto o número de casos de coronavírus avança”, explica o analista Joe Manimbo, do Western Union.

No horário em questão, o euro cedia a US$ 1,1631. A moeda comum foi prejudicada este semana por conta dos temores em relação a uma segunda onda de infecções de covid-19 na Europa. Na próxima semana, indicadores econômicos importantes serão divulgados na região. “Evidência de desaceleração da recuperação poderia pressionar mais ainda a moeda única”, analisa Manimbo.

A libra, por sua vez, caía a US$ 1,2743, chegando à última semana de setembro a caminho de ter o pior desempenho mensal desde outubro de 2016, de acordo com o Rabobank. “Dado elevado grau de incertezas políticas enfrentadas pelo Reino Unido nos próximos meses, consideramos ingênuo descartar a possibilidade de mais perdas acentuadas para a libra”, explica o banco, referindo-se às tensas negociações por um acordo comercial com a União Europeia, para o período subsequente ao Brexit, como é conhecido o processo de saída do país insular do bloco europeu.

Ante emergentes, o dólar avançava 22,3560 pesos mexicanos e a 75,8811 pesos argentinos. Nesta sexta-feira, o presidente da Argentina, Alberto Fernández, assegurou na tarde que não haverá um novo “corralito” no país, ou seja, uma limitação oficial ao acesso a depósitos bancários e a contas correntes para frear a retirada de fundos dos bancos. Além de rechaçar essa possibilidade, Fernández criticou os limites no mercado cambial, mas disse que isso é uma situação herdada do governo anterior.

Fonte: br.investing.com

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Fale com um Consultor

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Informe os dados abaixo para receber um diagnóstico sem compromisso direto em seu WhatsApp!

Ligamos pra você!

Informe seus dados de contato para receber a ligação de um dos nossos consultores nos próximos minutos.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.