Conheça o WTM Finance! Solicite Fechamento de Câmbio de sua Empresa via WhatsApp

Dólar segue exterior e cai com mercado de olho em balanços nos EUA

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar tinha queda ante o real no começo do pregão desta terça-feira, seguindo fraqueza da moeda ante alguns rivais no exterior após mau humor da véspera por temores sobre a economia depois de novo fechamento de atividades nos Estados Unidos por causa do coronavírus.

Às 9h24, o dólar à vista tinha queda de 0,45%, a 5,3635 reais na venda.

Na B3, o dólar futuro recuava 0,74%, a 5,3665 reais.

No exterior, o dólar perdia 0,15% ante uma cesta de moedas. O dólar cedia 0,7% ante o peso mexicano, 0,5% contra rand sul-africano e 0,3% frente ao peso chileno. Os futuros de Wall Street subiam, com atenção a relatórios trimestrais de bancos após queda dos índices à vista na segunda-feira.

“Hoje vemos ligeira recuperação das moedas, enquanto o momento para os ativos locais volta a melhorar, com a notícia de que Fundo Norueguês voltou a colocar a Petrobras (SA:PETR4) como empresa elegível a investimentos. Movimento pode gerar fluxos pontuais mas relevantes no câmbio”, disse Luis Laudisio, operador da Renascença.

A Petrobras informou na véspera que voltou a ser elegível para receber investimentos do fundo de pensão norueguês KLP, que possui um patrimônio total de centenas de bilhões. Segundo a Petrobras, a decisão do KLP ocorreu em função do fortalecimento da governança na estatal.

O Banco Central atualizará os dados de fluxo cambial na quarta-feira. Os últimos números mostraram que julho começou com déficit de quase 400 milhões nos primeiros três dias de julho, após rombo de 2,885 bilhões de dólares em junho.

Fluxo negativo aumenta a pressão sobre o dólar, o que tende a elevar o preço da moeda.

O cenário para o fluxo tem sido abalado pela percepção de que a economia brasileira segue pressionada por um conjunto de incertezas de ordem política e fiscal. Dados do Banco Central mostraram nesta manhã que a atividade econômica medida pelo IBC-Br subiu 1,31% em maio, mas caiu 14,24% sobre o mesmo período de 2019.

(Por José de Castro)

Fonte: Read More

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Fale com um Consultor

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Informe os dados abaixo para receber um diagnóstico sem compromisso direto em seu WhatsApp!

Ligamos pra você!

Informe seus dados de contato para receber a ligação de um dos nossos consultores nos próximos minutos.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.