Conheça o WTM Finance! Solicite Fechamento de Câmbio de sua Empresa via WhatsApp

Dólar sobe com apreensão sobre risco fiscal e cautela externa

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

O dólar opera em alta e já bateu máxima na casa dos R$ 5,43. O mercado de câmbio está apreensivo com o risco fiscal do governo brasileiro e a cautela no exterior também contribui para a valorização ante o real.

Estressam os investidores a fala do presidente Jair Bolsonaro admitindo que há um debate entre integrantes de seu governo para furar o teto de gastos para 2021. “Qual o problema?”, questionou em live nas redes sociais, um dia após declarar apoio ao teto. “Agora esse mercado tem que dar um tempinho também, né? Um pouquinho de patriotismo não faz mal a eles, né?”, acrescentou.

Os investidores já estavam céticos com a defesa pouco enfática do presidente na quarta-feira sobre o mecanismo limitador de gastos públicos. Na terça-feira, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que uma mudança na regra do teto de gastos deixava o presidente na “zona sombria” do impeachment e a movimentação política do Planalto é ameaça também a permanência de Guedes.

No radar também está a pesquisa Datafolha, mostrando a melhor avaliação de Jair Bolsonaro desde o início da pandemia, graças, em boa parte, ao pagamento do auxílio-emergencial. “É possível que os dados evidenciados pelo Datafolha contribuam para maiores pressões para que ocorra extensão da ajuda aos brasileiros”, observam economistas da Renascença DTVM, em relatório nesta manhã.

O IBC-Br de junho cresceu 4,89%, abaixo da mediana estimada (5,1%), e caiu 10,94% no trimestre, o que traria influência de baixa na curva de juros, porém, o que se vê é uma correção de alta dos juros longos, pelo estresse com o quadro fiscal.

Mais cedo, o Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) subiu 2,53% em agosto, após ter aumentado 1,91% em julho, superando o teto das estimativas na pesquisa do Projeções Broadcast, que era de 2,28%. O piso apontava alta de 1,70%, com mediana positiva de 2,11%.

O Índice de Confiança Empresarial (ICE) subiu 5,8 pontos na prévia de agosto ante o resultado fechado do mês de julho, para 93,3 pontos. Já o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) caiu 3,0 pontos, para 75,8 pontos.

No exterior, as bolsas recuam e o dólar perdeu força ante divisas emergentes há pouco, como peso mexicano, ajudando para a desaceleração do dólar ante o real. Os dados da indústria e varejo da China são monitorados e persiste o impasse nas negociações nos EUA por um novo pacote fiscal em reação à crise do coronavírus. Há ainda incertezas sobre o desfecho de uma reunião virtual, amanhã, entre graduadas autoridades americanas e chinesas, que revisarão o pacto da fase 1 do acordo comercial sino-americano assinado em janeiro.

Às 9h39, o dólar à vista desacelerava o ganho, a R$ 5,3884 (+0,39%), após máxima em R$ 5,4339 (+1,23%). E o dólar futuro para setembro subia 0,60%, a R$ 5,4040, ante máxima a R$ 5,4370 (+1,23%), após a abertura dos negócios. o dólar futuro para setembro subia 0,40%, a R$ 5,3920, ante máxima a R$ 5,4370 (+1,23%) mais ced

Fonte: Read More

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Fale com um Consultor

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Informe os dados abaixo para receber um diagnóstico sem compromisso direto em seu WhatsApp!

Ligamos pra você!

Informe seus dados de contato para receber a ligação de um dos nossos consultores nos próximos minutos.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.