Conheça o WTM Finance! Solicite Fechamento de Câmbio de sua Empresa via WhatsApp

Dólar sobe com pressão externa e questão técnica e encerra cotado a R$ 5,4005

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

O dólar operou sob pressão na sessão de negócios desta segunda-feira, 21, em meio ao ambiente de aversão a risco visto no exterior, que levou ao fortalecimento da divisa americana frente à maioria das moedas no globo. No entanto, segundo profissionais de câmbio, o que amplificou mesmo o movimento de alta frente ao real, levando a cotação à máxima intraday a R$ 5,4974 durante a manhã, foi uma questão técnica: o exercício de opções sobre ações na B3 (SA:B3SA3), que movimentou R$ 10,468 bilhões, proporcionou o rearranjo de carteiras envolvendo além de ações, câmbio e juros.

“Como o clima ficou muito ruim nos mercados hoje, contratos que não iam ser exercidos tiveram que ser e isso mexeu com as posições de câmbio e juros. Em dia de vencimento de opções, há uma revisita à carteira como um todo, nas estratégias de arbitragem. Isso deixa os movimentos amplificados tanto na alta quanto na baixa, como foi hoje”, disse Pedro Lang, chefe de Renda Variável da Valor Investimentos.

Tanto que, assim que passado o exercício, o dólar reduziu em muito o ritmo de avanço, evidenciando que havia a pressão técnica. Assim, a divisa americana passou a tarde comportada na faixa dos R$ 5,40 para encerrar o dia cotada a R$ 5,4005 em alta de 0,43% – a maior desde 31 de agosto passado (R$ 5,4806).

“O dólar no mundo não está com toda essa força”, lembrou Charles Susskind,sócio fundador da CMS Invest, fazendo referência à trajetória da moeda americana. No entanto, na sessão desta segunda-feira, houve impacto para cima em meio a um ambiente de cautela com os investidores temendo a baixa recuperação mundial diante dos efeitos da segunda onda de Covid com países europeus já reiniciando procedimentos de quarentena. Para aumentar a aversão dos investidores, alegações de que os britânicos HSBC e Standard Chartered (LON:STAN), além de JP Morgan Chase e o alemão Deutsche Bank movimentaram US$ 2 trilhões de fundos ilícitos por um longo período, pesaram, principalmente pela manhã.
Fonte: br.investin.com

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Fale com um Consultor

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Informe os dados abaixo para receber um diagnóstico sem compromisso direto em seu WhatsApp!

Ligamos pra você!

Informe seus dados de contato para receber a ligação de um dos nossos consultores nos próximos minutos.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.