Conheça o WTM Finance! Solicite Fechamento de Câmbio de sua Empresa via WhatsApp

Dólar sobe quase 1% em dia negativo para moedas emergentes

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar tomou fôlego e operava perto das máximas da sessão desta segunda-feira, quando superou 5,46 reais, com o mercado de câmbio influenciado por fluxos pontuais num dia de moeda norte-americana fortalecida no exterior em meio a tensões entre Estados Unidos e China.

A moeda negociada no mercado à vista subia 0,74%, a 5,4525 reais na venda, às 15h15. Na máxima, alcançada há pouco, a cotação foi a 5,4655 reais (+0,98%), depois de cair a 5,3525 reais ainda pela manhã (-1,11%).

O dólar vem de três altas seguidas nas quais acumulou apreciação de 2,44%. No mês, a divisa salta 4,7%, elevando os ganhos no ano para 36,1%.

No exterior, moedas emergentes pares do real, como peso mexicano, rand sul-africano, peso chileno e peso colombiano depreciavam.

“Há muito foco na Turquia no momento, mas a realidade é que a pressão de depreciação tem crescido em todo o mundo emergente nas últimas duas semanas”, disse Robin Brooks, economista-chefe do Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês), lembrando desvalorizações do real, da lira turca e do rand sul-africano.

A lira turca oscilava em torno da estabilidade nesta segunda, mas acumula queda de 5,3% nas quatro sessões incluindo esta.

Da pauta externa, o mercado monitorava novos sinais de tensão entre Estados Unidos e China. O país asiático impôs nesta segunda-feira sanções a 11 cidadãos dos EUA, incluindo parlamentares do Partido Republicano, ao qual pertence o presidente Donald Trump, em resposta a sanções por Washington a Hong Kong e a autoridades chinesas acusadas de restringir as liberdades políticas na ex-colônia britânica.

O dólar subia ante o real nesta segunda também na véspera de o Comitê de Política Monetária (Copom) divulgar a ata da reunião da semana passada, quando o juro básico foi reduzido a nova mínima recorde de 2,00% ao ano, e o Banco Central deixou a porta aberta para nova distensão monetária.

O UBS mantém estimativa de Selic de 2,00% ao fim deste ano, mas diz que o “viés é de mais cortes nas taxas”.

A redução sucessiva da taxa básica de juros a mínimas históricas afetou o mercado de câmbio ao pressionar rendimentos brasileiros atrelados à Selic, tornando o Brasil menos atrativo para o investidor estrangeiro quando comparado a pares emergentes com mesmo nível de risco e retorno mais alto.

Fonte: Read More

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Fale com um Consultor

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Informe os dados abaixo para receber um diagnóstico sem compromisso direto em seu WhatsApp!

Ligamos pra você!

Informe seus dados de contato para receber a ligação de um dos nossos consultores nos próximos minutos.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.