Conheça o WTM Finance! Solicite Fechamento de Câmbio de sua Empresa via WhatsApp

Dólar supera R$5,40 e fecha na máxima desde junho com ajuste externo

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar engatou a terceira alta consecutiva frente ao real nesta sexta-feira, acumulando o maior ganho semanal desde junho, amparado por um dia de aversão a risco nos mercados externos em meio a dados nos Estados Unidos e incertezas sobre novo pacote de auxílio norte-americano.

O dólar à vista subiu 1,30%, a 5,4126 reais na venda, maior patamar desde 30 de junho (5,44 reais). Nos últimos três pregões, a moeda avançou 2,44%.

Na semana, a cotação ganhou 3,72%, mais forte valorização desde a semana finda em 19 de junho (+5,41%). No ano, o dólar salta 34,88%, com o real mantendo a posição de pior desempenho global entre as principais divisas no período.

“Os dados de emprego nos EUA vieram melhores que o esperado e deram motivos para os compradores de dólar depois de semanas de queda da moeda (no exterior)”, disse Cleber Alessie, operador de câmbio da Commcor DTVM.

“Hoje sofremos junto com o resto do mundo, com a particularidade da maior amplitude de nossos movimentos”, acrescentou.

O real teve a segunda maior queda na sessão entre as principais moedas. Apenas peso chileno (-2%) caiu mais.

A criação de vagas de trabalho nos Estados Unidos desacelerou consideravelmente em julho, em meio ao ressurgimento das infecções de Covid-19, o que fornece a evidência mais clara de que a recuperação econômica da recessão causada pelas medidas de isolamento social está vacilando, mas os números ainda vieram melhores que o esperado.

O mercado também acompanhou o noticiário sobre discussões nos EUA a respeito de novo pacote de alívio, que seguiam empacadas enquanto o país ultrapassava as 160 mil mortes por Covid-19.

O índice do dólar frente a uma cesta de moedas saltava 0,7% no fim da tarde, maior alta desde 11 de junho, com a divisa norte-americana fortalecida contra praticamente todos os seus principais rivais. A alta do dólar empurrou o ouro para queda, depois de cravar novo recorde nas negociações de mais cedo.

Luis Laudisio, operador da Renascença, acredita que o mercado em geral mostrou excessivo otimismo na véspera, quando as bolsas de valores e outros ativos voltaram a mostrar rali. “Hoje (os investidores) estão passando uma régua em parte das posições”, disse. O Ibovespa caiu 1,29% e o índice S&P 500 da Bolsa de Nova York ficou perto da estabilidade, ambos segundo dados preliminares.

Para o curto e médio prazo, a questão fiscal e incertezas relacionadas à pandemia mantêm o cenário nebuloso para o câmbio no Brasil, num contexto em que a América Latina segue em dificuldades para conter o coronavírus.

O Bank of America notou que nos últimos seis meses as maiores movimentações nas moedas emergentes foram vistas nas moedas de Brasil e México, além de Rússia. “Isso provavelmente captura o fato de que a América Latina vinha sendo especialmente vulnerável ao sentimento de risco e choques da Covid-19, enfrentando condições macroeconômicas desafiadoras”, afirmaram analistas do banco.

Num plano mais amplo, o BofA entende que “o consenso do mercado pode estar muito complacente ou otimista diante de uma série de riscos”.

O Itaú Unibanco ainda vê recuperação da economia global no segundo semestre, o que amparou redução nesta sexta-feira de sua estimativa para o dólar ao fim deste ano para 5,25 reais, ante 5,75 reais da previsão anterior. Mas o banco aponta receios de ordem fiscal como limitadores a um desempenho melhor para o real.

“Acreditamos que o risco fiscal ainda elevado, a contração acentuada da atividade econômica e o cenário de juros baixos devem impedir uma apreciação mais intensa da moeda, que deve terminar o ano próxima aos patamares observados nos últimos meses, com depreciação perto de 30% em relação ao nível observado no final de 2019”, afirmou o Itaú, mantendo prognóstico de dólar a 4,50 reais ao término de 2021.

Fonte: Read More

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Fale com um Consultor

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Informe os dados abaixo para receber um diagnóstico sem compromisso direto em seu WhatsApp!

Ligamos pra você!

Informe seus dados de contato para receber a ligação de um dos nossos consultores nos próximos minutos.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.