Conheça o WTM Finance! Solicite Fechamento de Câmbio de sua Empresa via WhatsApp

Dólar tem maior alta diária desde junho e vai a R$ 5,37

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

A fuga de ativos de risco no exterior e fatores técnicos no Brasil – incluindo a antecipação de um leilão de rolagem do Banco Central e a disparada dos juros longos – provocaram forte piora do câmbio nesta sexta-feira, 18, com o dólar chegando a bater em R$ 5,37, na maior alta diária desde 24 de junho. Em dia de baixa liquidez e com agenda esvaziada de eventos e indicadores, o dólar operou com valorização durante toda a sessão, revertendo a queda acumulada na semana.

Novos indícios de piora da relação entre Estados Unidos e Pequim, aumento de casos de coronavírus na Europa e ainda preocupações com a retomada da atividade econômica americana ajudaram a pressionar as bolsas e as moedas de emergentes.

O real foi novamente a moeda com pior desempenho ante o dólar, considerando uma cesta de 34 divisas mais líquidas. Traders relatam que as crescentes preocupações fiscais com o Brasil ajudam a enfraquecer mais a moeda brasileira na comparação com seus pares. Enquanto o dólar subiu 2,79% no mercado doméstico, para R$ 5,3776, avançou 1,1% no México, 0,81% na África do Sul e 0,88% no Chile.

Nesta sexta, o temor fiscal fez a curva de juros a termo se inclinar ainda mais, com as taxas longas dos contratos de Depósito Interfinanceiro (DI) abrindo mais de 30 pontos, o que ajudou a estressar ainda mais o dólar, ressalta o diretor de tesouraria de um banco. “A inclinação da curva é um sinal do crescente risco fiscal do Brasil, aliado ao exterior ruim, ajudou a fortalecer o movimento de busca por proteção no dólar.”

Profissionais das mesas de câmbio mencionam ainda que a decisão do BC de fazer nesta sexta um leilão de rolagem de linha que vencem em outubro, de US$ 4,15 bilhões, não caiu bem em um dia de mercado estressado. Normalmente estes leilões de rolagem de linha são feitos na semana final de cada mês. O leilão desta sexta acabou atraindo tomador novo, que estava atrás de liquidez, e deixou parte de quem queria rolar os papéis que vencem em outubro na mão, conta um executivo de banco médio.

“Está faltando liquidez no mercado e o leilão acaba atraindo gente que não está na rolagem”, destaca o chefe da mesa de câmbio da Terra Investimentos, Vanei Nagem.

Ele ressalta que o dia a liquidez baixa, por conta do feriado judaico, e a busca por proteção antes do final de semana ajudaram a pressionar o câmbio. No noticiário, ele destaca o aumento de casos de coronavírus no exterior e a decisão de Donald Trump de barrar downloads de dois aplicativos chineses – TikTok e WeChat – a partir do próximo domingo, 20, o que pode azedar ainda mais a relação entre os dois países.
Fonte: br.investing.com

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Fale com um Consultor

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Informe os dados abaixo para receber um diagnóstico sem compromisso direto em seu WhatsApp!

Ligamos pra você!

Informe seus dados de contato para receber a ligação de um dos nossos consultores nos próximos minutos.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.