Conheça o WTM Finance! Solicite Fechamento de Câmbio de sua Empresa via WhatsApp

Dólar tem primeira queda semanal em um mês

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar caiu nesta sexta-feira e acumulou a primeira queda semanal depois de um mês, com as operações domésticas espelhando a fraqueza da moeda norte-americana no exterior, em dia positivo para ativos de risco no mundo por renovadas esperanças de estímulo fiscal nos Estados Unidos.

O dólar à vista recuou 1,12%, a 5,5268 reais na venda. Ao longo do pregão, a divisa oscilou entre 5,5846 reais (-0,08%) e 5,511 reais (-1,40%).

Na semana, a cotação cedeu 2,47%, depois de quatro semanas consecutivas de ganhos, período em que subiu 6,76%. É a primeira queda semanal do dólar desde a semana finda em 4 de setembro (-1,99%) e a mais intensa desde os cinco dias terminados em 28 de agosto (-3,41%).

Em outubro, o dólar recua 1,64%. Em 2020, a moeda salta 37,73%.

O real teve o segundo melhor desempenho global nesta sessão, em que o dólar recuou frente a 31 dentre 33 pares. O índice do dólar contra uma cesta de seis rivais caía 0,54% no fim da tarde, para o menor patamar em três semanas.

Investidores seguiram otimistas com chances de algum acordo sobre mais estímulos nos Estados Unidos, ainda que as negociações desta sexta entre a presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, Nancy Pelosi, e o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, tenham fracassado.

Os mercados emergentes, como o Brasil, podem mostrar desempenhos melhores à frente, apontaram analistas do Barclays (LON:BARC), segundo os quais investidores estariam dispostos a colocar “dinheiro para trabalhar” conforme crescem perspectivas de uma eleição não contestada nos EUA.

“Enquanto isso, há sinais iniciais de uma melhora da crise de saúde em algumas partes do bloco emergente, visto que os casos de Covid-19 parecem ter atingido o pico em alguns dos países afetados, como Índia e Brasil”, disseram.

O Barclays, contudo, ainda vê o real aquém de alguns de seus pares. “Permanecemos comprados em peso mexicano contra real e peso chileno”, afirmaram. O real cai 18,7% ante o peso mexicano em 2020.

As agendas de mercado indicam um noticiário político brando na próxima semana, mas sem tirar as atenções ao Renda Cidadã. “Adicionalmente, vale notar a intenção –recém afirmada pelo presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia– de avançar com os debates em torno da PEC Emergencial”, disse o Itaú Unibanco em nota.

Do lado macro, na semana que vem o IBGE divulga os números do setor de serviços (na quarta) e o IBC-Br (na quinta), ambos de agosto.

“Os dados da pesquisa de serviços deverão mostrar crescimento no mês… O IBC-Br do período, ao trazer uma proxy agregada para o crescimento do PIB, deverá reforçar a leitura de atividade econômica forte”, afirmou o Bradesco (SA:BBDC4) em nota.

A semana positiva para o real no agregado ocorreu em meio à divulgação de dados recordes no varejo brasileiro em agosto, bem como o primeiro crescimento da atividade de serviços (medida pelo PMI) após seis meses de retração.
Fonte: br.investing.com

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Fale com um Consultor

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Informe os dados abaixo para receber um diagnóstico sem compromisso direto em seu WhatsApp!

Ligamos pra você!

Informe seus dados de contato para receber a ligação de um dos nossos consultores nos próximos minutos.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.