Conheça o WTM Finance! Solicite Fechamento de Câmbio de sua Empresa via WhatsApp

Dólar tem quarta semana seguida de alta e vai a R$ 5,67

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

O dólar terminou a sexta-feira, 2, em alta, acumulando valorização de 2,07% nos últimos cinco dias, a quarta semana seguida de ganhos, subindo 41,3% no ano. Hoje a moeda chegou a encostar em R$ 5,69 com pressão vinda do exterior, após o aumento da incerteza nas eleições americanas com Donald Trump confirmando estar infectado com o coronavírus. No Brasil, persistentes dúvidas sobre o financiamento do novo programa social do governo seguem pressionando o câmbio, hoje com a troca de farpas entre o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, e o da Economia, Paulo Guedes.

O dólar à vista encerrou a semana cotado em R$ 5,6704, em alta de 0,29%. É a cotação mais alta desde o fechamento de 20 de maio. No mercado futuro, o dólar para novembro tinha ganho de 0,46% às 17h, para R$ 5,6750.

No novo capítulo sobre o Renda Cidadã, Marinho disse em call com o mercado hoje, de acordo com fontes ouvidas pelo Broadcast, que o programa sai “por bem ou por mal” e ainda criticou Guedes. Mais tarde, ao ouvir os relatos, Guedes chamou o colega de “desleal”.

“O teto da dívida continua sendo um problema permanente”, destaca a analista de moedas do banco alemão Commerzbank, Alexandra Bechtel. Ela ressalta que após a repercussão negativa de como financiar o novo programa social de Jair Bolsonaro, o governo voltou atrás sobre o uso de precatórios, mas não deu novos detalhes do que pretende fazer. Nesse cenário, será difícil o real se apreciar, mesmo se o ambiente for de procura por risco, ressalta ela.

Nesta sexta-feira, o cenário de incerteza fiscal se somou ao aumento da incerteza sobre as eleições americanas após Trump anunciar que está com covid e cancelar a campanha por 15 dias. Os estrategistas do banco ING observam que as dúvidas eleitorais vêm em um momento de preocupação redobrada com a recuperação da atividade econômica. Com isso, o dólar subiu ante divisas fortes e em alguns emergentes, como Colômbia, Chile, Turquia e Rússia.

Para o mercado doméstico, o Itaú Unibanco manteve a projeção de dólar a R$ 5,25 no final do ano. Caso a incerteza fiscal diminua e o cenário externo fique mais benigno – com recuperação das principais economias no segundo semestre deste ano – somado a um balanço de pagamentos já ajustado, o real deve se apreciar nos próximos três meses. Com o PIB voltando a crescer em 2021, há espaço para apreciação adicional do real, destaca o Itaú, prevendo o dólar a R$ 4,50 em dezembro do ano que vem. O banco, porém, faz um alerta. “Caso haja uma deterioração fiscal significativa, que resulte numa saída mais forte de capitais, o real deve se depreciar mais do que no nosso cenário.”
Fonte: br.investing.com

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Fale com um Consultor

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Informe os dados abaixo para receber um diagnóstico sem compromisso direto em seu WhatsApp!

Ligamos pra você!

Informe seus dados de contato para receber a ligação de um dos nossos consultores nos próximos minutos.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.