Conheça o WTM Finance! Solicite Fechamento de Câmbio de sua Empresa via WhatsApp

Dólar tem terceira semana seguida de alta e fecha em R$ 5,55

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

O dólar fechou a semana acumulando valorização de 3,3%, a terceira semana seguida de ganhos. Marcada por intensa volatilidade, a moeda americana chegou a cair para R$ 5,38 na mínima dos últimos dias e a bater em R$ 5,62 na máxima. O exterior foi o principal fator a afetar as cotações, com o crescimento de casos de covid-19 na Europa aumentando as dúvidas sobre a recuperação da economia mundial e a falta de acordo nos Estados Unidos para aprovar um pacote de socorro fiscal, estimulando a busca por proteção na divisa americana. No Brasil, seguiu no radar dos investidores a questão fiscal.

O dólar subiu de forma generalizada no mercado financeiro mundial, atingindo os níveis mais altos em dois meses perante algumas moedas, como o euro, a libra e o dólar canadense. No câmbio, o “dólar foi o único vencedor”, comentam os estrategistas de mercados do Swissquote Bank.

No Brasil, a sexta-feira foi novo dia de alta, com o dólar à vista encerrando em R$ 5,5553, com valorização de 0,81%. No mercado futuro, o dólar para outubro era negociado com ganho de 0,87%, a R$ 5,5585 às 17h.

Entre as seis moedas de países emergentes com pior desempenho no mercado financeiro mundial nesta semana, três são da América Latina: peso mexicano, real e peso colombiano. “A recente queda no apetite por risco do investidor mundial, por causa do temor de uma segunda onda de covid e da redução da chance de suporte fiscal adicional nos EUA, colocou as moedas da América Latina na linha de fogo”, comenta o economista para a região da consultoria inglesa Capital Economics, Nikhil Sanghani.

O “drama fiscal” também está contribuindo para a depreciação do real, destaca Sanghani. Se por um lado as contas externas do Brasil têm mostrado nítida melhora, as fiscais estão entre as piores dos emergentes. Com isso, no ano, o dólar acumula alta de 38% no Brasil, enquanto sobe 29% na Turquia, 22% na África do Sul e 15% no México. A Capital Economics prevê o dólar acima de R$ 5,00 no Brasil ao menos até o final de 2022.

Hoje a volta da discussão de um imposto sobre transação financeira para financiar programas sociais causou desconforto entre os participantes do mercado. Para fazer um novo programa assistencial no Brasil, o governo tem de cortar outras despesas e não aumentar imposto, disse o diretor executivo da Instituição Fiscal Independente do Senado Federal (IFI), Felipe Salto, em evento virtual do Insper, onde não faltaram críticas à política fiscal brasileira.

Fonte: br.investing.com

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Fale com um Consultor

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Informe os dados abaixo para receber um diagnóstico sem compromisso direto em seu WhatsApp!

Ligamos pra você!

Informe seus dados de contato para receber a ligação de um dos nossos consultores nos próximos minutos.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.