Conheça o WTM Finance! Solicite Fechamento de Câmbio de sua Empresa via WhatsApp

Guedes diz que governo estuda imposto negativo para trabalhador informal

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Por Gabriel Ponte

BRASÍLIA (Reuters) – O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quarta-feira que a equipe econômica estuda propor a implantação de um “imposto negativo”, mecanismo pelo qual o governo federal depositaria o equivalente a 20% do rendimento mensal do trabalhador informal em uma conta que se assemelharia à poupança, para ser sacada na aposentadoria.

“Nós estamos estimulando para ele (trabalhador) declarar. ‘Ganhei 500, ganhei 600’. Ganhou 500? Toma 20% do imposto de renda negativo”, explicou Guedes em participação no programa “Nos Pingos nos Is”, da Jovem Pan.

“Esses 38 milhões de brasileiros (informais) vão envelhecer e vão pressionar a nossa Previdência, e eles não contribuem. Então é melhor nós mesmos já irmos criando um sistema de aposentadoria com capitalização para eles”, acrescentou.

Ainda de acordo com o titular da pasta econômica, o governo também vislumbra a possibilidade de, com a ascensão social do trabalhador e o ingresso no mercado formal, desonerar o primeiro salário mínimo.

“Quando ele chega a mil (salário) e vai trabalhar por mil, ele custa dois mil para a empresa. Os encargos chegam a quase 100% quando você inclui tudo. Então nós queremos simplificar isso”, pontuou Guedes, ressaltando que as propostas terão de passas pelo crivo do Congresso.

De acordo com o Guedes, a política estudada pelo ministério permitiria a desoneração da folha de pagamento para esse “nível básico do salário mínimo”.

Guedes também reiterou que o governo estuda a criação do Renda Brasil, um programa de assistência social aos moldes do Bolsa Família, mas que teria o valor de benefício superior ao do atual.

“Da mesma forma que o Bolsa Família foi uma concentração e focalização dos programas sociais (…) nós agora vamos juntar abono salarial, Bolsa Família, dois ou três programas focalizados e vamos criar o Renda Brasil. E ele vai ser, então, acima do Bolsa Família”, complementou.

“Nós ampliamos a base do antigo Bolsa Família, e vamos ampliar também a cobertura. O nível vai subir para 250, para talvez quase 300 reais.”

Fonte: Read More

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Fale com um Consultor

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Informe os dados abaixo para receber um diagnóstico sem compromisso direto em seu WhatsApp!

Ligamos pra você!

Informe seus dados de contato para receber a ligação de um dos nossos consultores nos próximos minutos.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.