Conheça o WTM Finance! Solicite Fechamento de Câmbio de sua Empresa via WhatsApp

Início da recuperação econômica no Brasil foi em “V”, diz Campos Neto

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) – A recuperação da economia brasileira começou em “V”, afirmou nesta quinta-feira o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, reforçando a mensagem de política monetária de que o espaço para queda dos juros básicos existe, mas é pequeno.

“Nós temos espaço, mas não muito mais. Está perto de uma taxa que a gente entende que se ela for sendo reduzida continuamente pode gerar efeitos indesejados”, afirmou ele, em evento online promovido pelo jornal Correio Braziliense.

Quando cortou a Selic em 0,75 ponto, à mínima atual de 2,25% ao ano, em junho o BC já havia aberto a porta para nova redução “residual” à frente, condicionada à avaliação do cenário. A próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) acontece em 4 e 5 de agosto.

Sobre a atividade econômica, Campos Neto afirmou nesta quinta-feira que as duas últimas semanas de abril foram as piores para a economia brasileira e que houve recuperação a partir do começo de maio, dando início a uma retomada em “V”.

“E aí a parte de dados em tempo real, que é importante olhar, a gente começa a ver uma melhora mais rápida em junho. Então energia, tráfego, arrecadação, volume de TED, tudo isso a gente consegue ver uma melhora já em junho”, disse.

“Então parece que nós iniciamos uma recuperação que seria um movimento inicial em ‘V’, mas que a gente acha que deve suavizar um pouco. Ou seja, a gente consegue ver que a primeira parte da recuperação foi em ‘V’, seguindo alguns outros lugares do mundo, ao contrário de 2008, que a recuperação foi mais lenta”, acrescentou.

Em sua fala inicial, Campos Neto disse que a adoção de medidas mais rígidas de distanciamento social no chamado lockdown não é o que “faz tanta diferença” em relação a um isolamento mais frouxo, pontuando que a diferença no tráfego de pessoas nesses dois cenários compreende um intervalo de 10% a 13%.

Para Campos Neto, o que pesa mais é a decisão voluntária das pessoas de circular ou não, que sofre o impacto do que chamou de “fator medo”.

Ele frisou que é muito importante manter o sistema financeiro funcionando, já que a capacidade de alocação de recursos é que fará a economia voltar num formato mais desejado.

Sobre a inflação, Campos Neto avaliou que o avanço de preços na economia está bem comportado neste ano e deve seguir assim no próximo. Já quanto ao desemprego, ele reconheceu que deverá haver uma piora da taxa no Brasil em relação a patamares atuais.

Segundo o presidente do BC, a última rodada de medidas anunciadas pela autarquia para destravar o crédito veio após percepção de que o volume de financiamentos estava caindo. O pacote foi concebido para direcionamento de recursos a pequenas e médias empresas.

Ele também admitiu que o spread no Brasil é alto e tem algumas anomalias, mas disse que o BC está combatendo-o num caminho que já está traçado.

(Com reportagem adicional de Gabriel Ponte)

Fonte: Read More

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Fale com um Consultor

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Informe os dados abaixo para receber um diagnóstico sem compromisso direto em seu WhatsApp!

Ligamos pra você!

Informe seus dados de contato para receber a ligação de um dos nossos consultores nos próximos minutos.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.