Conheça o WTM Finance! Solicite Fechamento de Câmbio de sua Empresa via WhatsApp

Instrumentos do BC não são adequados para atuar na volatilidade do câmbio, diz diretor

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) – O diretor de Política Monetária do Banco Central, Bruno Serra, afirmou nesta sexta-feira que a volatilidade cambial incomoda e está sendo estudada pela autoridade monetária, mas que há entendimento de que os instrumentos dos quais o BC dispõe não são adequados para atuar nesse sentido.

“Mas vamos ver como evolui nosso entendimento sobre o tema e se há algo que possamos fazer para atuar, dependendo naturalmente do entendimento”, afirmou ele em live promovida pela XP Investimentos.

“Antes de adotar o remédio a gente precisa entender qual é a doença. O sintoma é essa volatilidade elevada, qual é a doença ainda precisa ser entendido.”

Segundo o diretor, os instrumentos do BC não são feitos para a autarquia atuar numa volatilidade como a que tem ocorrido, numa janela intradiária ou de dois dias, por exemplo.

Ainda sobre o comportamento do real, Serra reforçou que o nível do câmbio não é importante e que, quando o BC entende que há disfuncionalidade, está “excepcionalmente bem equipado para atuar no mercado para qualquer lado”, com colchão de reservas internacionais “mais do que suficiente”.

Ele disse que a diminuição dos juros básicos afeta a decisão de hedge (proteção) de empresas e famílias e que houve reflexo disso no patamar do dólar frente ao real.

Serra também frisou que, após o governo eliminar distorção ligada a operações de hedge por bancos pela assimetria tributária então existente, houve redução de um terço da posição de overhedge pelas instituições entre março e maio, o que causou demanda adicional de dólar que não foi vista em outros emergentes.

“De junho adiante o câmbio parou de ser aquele câmbio unidirecional, onde só tem um comprador, mas de fato a gente tem um fenômeno mais novo, mais recente, que é essa volatilidade um pouco acima do que a gente gostaria”, disse.

Mais cedo nesta semana, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, havia afirmado que, independentemente das causas, outros países do mundo adotaram dois tipos de remédio em relação à volatilidade –atuação com opções ou intervenções em corredor– e que ambos mostraram resultados considerados não satisfatórios. Campos Neto também disse sobre o tema que quanto menos intervenção houver no mercado, melhor.

Nesta sexta, Serra disse que o BC não possui instrumento aprovado para atuar no mercado de opções e que fazê-lo “não seria algo simples”. Ele também disse que a maioria dos BCs que foram por esse caminho no passado acabaram retroagindo.

Quanto à eventual postura mais ativa do BC, atuando no câmbio nos dois lados para lidar com a volatilidade, o diretor avaliou que a alternativa parece ter mais ônus que benefícios.

“Vai ficar parecendo que o BC está atuando numa espécie de corredor, que está calibrando o nível de câmbio para cima e para baixo, acho que isso não seria desejável.”

DECISÃO SOBRE OS JUROS

Em relação aos próximos passos da política monetária, Serra afirmou que o BC segue de olho no ritmo da recuperação econômica e que isso será fundamental para a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) entre 4 e 5 de agosto. Atualmente, a Selic está na mínima histórica de 2,25% ao ano.

“Nesse momento o que é decisivo é entender o tamanho do hiato, a recuperação para frente e essa distribuição entre setores ao longo do processo”, afirmou.

Serra reiterou que o recado de política monetária está expresso nos documentos oficiais do BC. “Lá está escrito que espaço para política monetária é residual e naturalmente está reforçado pela minha fala”, disse.

O IPCA-15, prévia da inflação oficial, subiu 0,30% em julho, abaixo do esperado, e Serra sinalizou que o dado, divulgado nesta manhã, é somente um e ainda não foi devidamente avaliado pelo BC.

“Não estamos muito preocupados com inflação de curtíssimo prazo”, afirmou.

MUDANÇA PARA INDÚSTRIA DE FUNDOS

Em meio à queda substancial dos juros básicos no país, o diretor de Política Monetária reconheceu que a poupança tem atraído investimentos por sua rentabilidade, ao passo que os fundos de mais baixo risco têm ficado com rentabilidade muito similar à da tradicional caderneta, o que constitui um desafio para o sistema.

“Indústria de fundos vai precisar se reinventar, vai precisar oferecer mais fundos com risco, renda fixa mais longa, taxa de administração provavelmente vai ser pressionada, mas é um processo que leva tempo”, disse.

Ele também ponderou se haverá demanda no direcionamento de poupança para todo o volume que está sendo captado. Segundo Serra, essa é outra ótica que passou a ser colocada pelo BC mais recentemente, mas que ainda não representou uma restrição para a decisão de política monetária.

“A decisão de política monetária foi meta de inflação e, mais recentemente, o otimismo que o Comitê de Política Monetária manifestou em relação ao cenário básico para atividade que naturalmente se transforma num hiato menor e num otimismo para a gente entregar a meta (de inflação) de 2021 em relação à projeção base de 3,2%”, disse.

“Agora a cada reunião a gente tem que rediscutir esse cenário.”

Fonte: Read More

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Fale com um Consultor

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Informe os dados abaixo para receber um diagnóstico sem compromisso direto em seu WhatsApp!

Ligamos pra você!

Informe seus dados de contato para receber a ligação de um dos nossos consultores nos próximos minutos.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.