Conheça o WTM Finance! Solicite Fechamento de Câmbio de sua Empresa via WhatsApp

Real tem melhor dia em quase 2 anos com ajustes e percepção sobre BC

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar sofreu nesta terça-feira a maior queda em quase dois anos, com o real na dianteira dos ganhos nos mercados globais de câmbio diante de um dia mais positivo para moedas de risco e com operadores realizando lucros após os recentes recordes do dólar.

Uma combinação de fatores pesou contra a moeda dos EUA nesta sessão, mas analistas destacaram a percepção de que, com a saída de Sergio Moro do governo, o presidente Jair Bolsonaro poderia se sentir mais “dependente” do ministro da Economia, Paulo Guedes.

Moro e Guedes formavam a dupla de “superministros”, ambos vistos como importantes suportes ao presidente junto à opinião pública e ao mercado financeiro.

A expectativa de maior apoio a Guedes por parte do presidente teria como base o entendimento de que uma turbulência contínua nos mercados –como a vista na semana passada na esteira da atribulada saída de Moro– poderia prejudicar mais a avaliação geral sobre o governo.

Na sequência da demissão de Moro, aumentaram especulações de que Guedes poderia ser o próximo a deixar o governo, o que gerou grande volatilidade nos mercados e ditou fortes quedas na bolsa e altas acentuadas no dólar e nas taxas de juros de mercado.

Na véspera, porém, houve movimento de Bolsonaro no sentido de demonstrar mais alinhamento com o chefe da Economia. O presidente disse que “o homem que decide economia no Brasil é um só, chama-se Paulo Guedes”.

Além do alívio no ruído sobre Guedes, o recente fortalecimento das intervenções do Banco Central no mercado de câmbio deu mais gás à realização de lucros pelo mercado.

“O BC finalmente atuou pesado no mercado de câmbio ontem e na sexta-feira, ajudando a conter a espiral negativa”, disse Sergio Goldenstein, que já chefiou o Departamento de Operações de Mercado Aberto do Banco Central, citando ainda a queda do dólar ante outras divisas emergentes e alguma “acalmada” no cenário político frente à semana anterior.

No somatório de sexta e segunda-feira, o BC colocou 5,275 bilhões de dólares no mercado em dinheiro “novo” na forma de swaps cambiais e moeda spot.

O BC não realizou leilões de câmbio nesta sessão.

O nível “esticado” do dólar –após rali de 11,3% em apenas duas semanas, entre 9 e 24 de abril– foi outro motivo alegado para o ajuste desta sessão.

“O real me parece muito subvalorizado”, disse Robin Brooks, economista-chefe do Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês). Segundo ele, a desvalorização aproximou o prêmio de risco em real dos vistos em alguns países mais afetados, como Turquia, Ucrânia e África do Sul.

Na mínima desta terça-feira, às 15h13, o dólar desceu a 5,4720 reais na venda, baixa de 3,39%, antes de encerrar com desvalorização de 2,59%, a 5,5172 reais na venda. O recuo é o mais intenso desde 8 de junho de 2018 (-5,59%).

Na B3, o dólar futuro recuava 2,65%, a 5,5070 reais, às 17h30.

O dólar caía 0,1% ante uma cesta de moedas, enquanto peso mexicano, dólar australiano e rand sul-africano, “termômetros” de risco, subiam entre 0,4% e 1,6%.

Fonte: Investing.com

 

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Fale com um Consultor

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Informe os dados abaixo para receber um diagnóstico sem compromisso direto em seu WhatsApp!

Ligamos pra você!

Informe seus dados de contato para receber a ligação de um dos nossos consultores nos próximos minutos.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.