Conheça o WTM Finance! Solicite Fechamento de Câmbio de sua Empresa via WhatsApp

Reforma fundamental é a que abre espaço no teto, diz Campos Neto

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Por Gabriel Ponte e Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) – O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou nesta quinta-feira que a reforma fundamental é a que abre espaço para despesas mantendo o respeito à regra do teto de gastos, defendendo novamente o mecanismo como âncora da política fiscal.

Em live com o empresário Abilio Diniz, ele insistiu na necessidade de o Brasil caminhar para o equilíbrio das contas públicas, reiterou que o BC é passageiro e não piloto nesse processo, e disse que a autoridade monetária tem repetido em todas as suas comunicações que a parte fiscal é crucial.

“O mais importante: qualquer notícia que passar informação para os agentes financeiros que nós temos a capacidade de resolver os nossos problemas sem ter nenhum tipo de atrito com o teto, isso vai criar uma estabilidade maior”, disse ele.

Nesse sentido, ele afirmou que “a reforma fundamental é uma reforma que abre espaço no teto”, com a proposta que está na mesa para desindexar, desvincular e desobrigar o Orçamento indo justamente nessa direção.

“Se isso acontecer, se a gente conseguir avançar com isso, o mercado vai entender que existe espaço para os projetos e ao mesmo tempo vai proporcionar que esses projetos sejam executados com a viabilidade do teto”, acrescentou.

O governo apresentou uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) com essas premissas no fim do ano passado, a PEC do Pacto Federativo, que ainda não foi apreciada pelo Congresso.

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o senador Marcio Bittar (MDB-AC) está consolidando a PEC do Pacto Federativo e a PEC Emergencial numa só e sinalizou que por essa via será possível abrir espaço no teto para o aumento dos gastos sociais pretendido pelo presidente Jair Bolsonaro.

VOLATILIDADE CAMBIAL

Sobre a volatilidade cambial, Campos Neto avaliou nesta quinta-feira que ela não afeta tanto as operações para o investidor no curto prazo, por conta de movimentos compensatórios.

“Se a volatilidade está em torno de um ponto, ou seja, ela é um movimento randômico em torno de um ponto, e você tem muita compra e muita venda, tende a cancelar para um lado e para o outro”, disse ele.

“O curto prazo, contanto que seja randômico, eu não acho que afeta tanto”, completou.

Para a investidor de longo prazo, Campos Neto ponderou que era inviável fazer hedge no Brasil por conta do custo do “come-cota”, em que o ganho com hedge era tributado mas perda não podia ser compensada depois, mas que isso já tinha sido modificado pela estrutura do contrato que passou a ser possível.

O presidente do BC voltou a dizer que uma parte da volatilidade cambial está ligada ao ambiente de juros baixos, também citando a mudança na estrutura de negociação dos contratos em real, com mais operações curtas e day trade.

Ele também destacou que fundos de investimento e fundos de pensão na América Latina começaram a fazer mais negociação com a moeda brasileira, já que hoje o real é um hedge que custa menos.

Fatores internos e externos, portanto, têm gerado volatilidade maior, frisou. Segundo Campos Neto, ela tende a cair se o país mostrar responsabilidade no tema fiscal e das reformas, já que a volatilidade tende a se atenuar na ausência de fatores que causam risco.

Ele reconheceu que “obviamente” a volatilidade preocupa o BC e que o desejo é de que houvesse volatilidade menor. No entanto, repetiu que intervir nesse fator é mais difícil do que intervir na questão da desvalorização cambial.

Quanto ao fluxo cambial, ele sublinhou que a parte externa voltou a se equilibrar.

“A gente olha a balança. O fluxo de portfólio, que foi uma razão de saída muito grande, já saiu bastante e já está mais ou menos neutro. Eu acho que, se a gente fizer um trabalho razoável daqui para a frente, volta a entrar alguma coisa. Então eu tendo a acreditar que ele vai começar a cair um pouco a volatilidade”, afirmou.

OPEN BANKING PARA OPEN FINANCE

No lado das inovações tecnológicas almejadas pela autoridade monetária, Campos Neto afirmou que o BC mudará o nome do seu projeto de open banking para open finance, uma vez que o sistema abarcará todos os produtos financeiros.

Ele disse ainda que o open banking do Brasil será o mais amplo do mundo, em referência ao sistema que dará aos clientes de instituições financeiras o poder sobre seus dados cadastrais e de transações, como meio de abrir o acesso a serviços mais baratos e melhores.

O modelo começará a funcionar no fim deste ano e integra a agenda institucional do BC para melhoria de competitividade no sistema financeiro.

Fonte: Read More

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Fale com um Consultor

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Informe os dados abaixo para receber um diagnóstico sem compromisso direto em seu WhatsApp!

Ligamos pra você!

Informe seus dados de contato para receber a ligação de um dos nossos consultores nos próximos minutos.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.