Conheça o WTM Finance! Solicite Fechamento de Câmbio de sua Empresa via WhatsApp

Dólar sobe com ajustes pós-Copom e seguindo tendência do exterior

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

O dólar opera em alta firme ante o real nesta quinta-feira, 6, devido à cautela no exterior e os ajustes pós-Copom. Os investidores precificam a perda de atratividade do País para o investidor estrangeiro, após o corte da Selic a 2% ao ano – menor taxa histórica, que deixa o juro real negativo no País em pelo menos -0,71% ao ano.

No comunicado da decisão, cujo corte de 25 pontos-base era amplamente esperado, o Comitê de Política Monetária (Copom) deixou aberta a porta para uma eventual nova redução pequena da Selic, de acordo com a avaliação de vários economistas ouvidos pelo Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) na terça-feira à noite. Contudo, há também uma corrente de profissionais que apostam em manutenção da taxa este ano e em níveis baixos por muito tempo.

O comitê disse no comunicado que o cenário prescreve estímulo elevado por causa da pandemia de coronavírus, mas pondera que, devido a questões prudenciais e de estabilidade financeira, o espaço remanescente para utilização da política monetária, se houver, deve ser pequeno. E citou que eventuais novos ajustes ocorreriam com “gradualismo adicional” e “dependerão da percepção sobre a trajetória fiscal, assim como de novas informações que alterem a atual avaliação do colegiado sobre a inflação prospectiva”.

No exterior, o dólar sobe em meio à queda nas bolsas e das commodities, com os investidores à espera de novidades das negociações para o lançamento de um novo pacote fiscal nos Estados Unidos e de desdobramentos das tensões comerciais.

Na Europa, pesam ainda balanços de grandes bancos e empresas da região e após o Banco da Inglaterra (BoE) decidir manter sua política monetária inalterada, o que fortalece a libra ante o dólar.

Às 9h25, o dólar à vista subia 1,35%, a R$ 5,3642. E o dólar futuro para setembro avançava a R$ 5,370 (+1,33%.

Mais cedo, o Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) registrou alta de 2,34% em julho, após um avanço de 1,60% em junho, divulgou a Fundação Getulio Vargas (FGV). O resultado do indicador ficou dentro do intervalo das estimativas na pesquisa do Projeções Broadcast, que ia de alta de 1,88% a 2,53%, mas acima da mediana de 2,24%.

Fonte: Read More

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Fale com um Consultor

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Informe os dados abaixo para receber um diagnóstico sem compromisso direto em seu WhatsApp!

Ligamos pra você!

Informe seus dados de contato para receber a ligação de um dos nossos consultores nos próximos minutos.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.