Conheça o WTM Finance! Solicite Fechamento de Câmbio de sua Empresa via WhatsApp

Dólar tem leve queda ante real com sinais de progresso nas relações EUA-China

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar apresentava queda contra o real nesta terça-feira, refletindo a melhora do ânimo global diante de sinais de progresso nas relações entre Estados Unidos e China, que se somavam ao otimismo sobre a busca de um tratamento para a Covid-19.

Ainda assim, vários analistas citavam a permanência das preocupações sobre a situação fiscal do Brasil, o que pode trazer volatilidade para a sessão.

Às 10:21, o dólar recuava 0,12%, a 5,5877 reais na venda, enquanto o dólar futuro negociado na B3 tinha queda de 0,45%, a 5,588 reais.

Depois de vários conflitos diplomáticos entre as duas maiores economias do mundo nos últimos meses, autoridades comerciais dos Estados Unidos e da China reafirmaram seu compromisso com a Fase 1 do acordo comercial alcançado no início do ano, tranquilizando investidores de todo o mundo nesta terça-feira.

A promessa foi feita em um telefonema entre o representante de Comércio dos EUA, Robert Lighthizer; o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin; e o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, no primeiro diálogo formal entre eles desde o início de maio.

“As conversas entre Estados Unidos e China sobre o acordo parecem ter sido construtivas, apesar de não trazerem nada de novo, e isso está ajudando a trazer otimismo aos mercados, assim como dados bons da Alemanha”, disse à Reuters Luciano Rostagno, estrategista-chefe do banco Mizuho.

Números desta terça-feira mostraram que a economia da Alemanha teve contração econômica menor do que a projetada inicialmente, enquanto segue no caminho de uma recuperação diante da melhora da confiança empresarial.

Além disso, notícias sobre progressos na busca de um tratamento para a Covid-19 — que impulsionaram vários mercados internacionais na véspera — seguem no radar dos investidores, principalmente depois que o principal órgão regulador de saúde dos EUA permitiu o uso de plasma sanguíneo em pacientes da doença.

No exterior, diante desse contexto, moedas arriscadas pares do real — como peso mexicano, rand sul-africano e dólar australiano — operavam em alta contra o dólar, que também perdia terreno ante uma cesta de divisas fortes.

Enquanto isso, no Brasil, o foco continuava na situação das contas públicas, em meio a temores de que os gastos extraordinários provocados pela pandemia prejudiquem a agenda de austeridade promovida pelo governo de Jair Bolsonaro.

“Preocupações em relação ao fiscal fizeram a moeda perder força ao longo do dia ontem”, comentou Rostagno. “Internamente, a gente tem expectativa sobre medidas fiscais que o governo deve anunciar em breve desvinculando gastos obrigatórios e também buscando colocar gatilhos pra inibir o crescimento dos gastos”, o que, caso se confirme, pode trazer tranquilidade aos mercados locais, acrescentou.

A expectativa era de o governo realizasse nesta terça-feira uma cerimônia para anúncio do Pró-Brasil, um plano para a retomada econômica do país no pós-pandemia, mas o líder do governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros (PP-PR), afirmou na segunda-feira à Reuters que o governo decidiu adiar o anúncio.

Na véspera, o dólar negociado no mercado interbancário teve queda de 0,22%, a 5,5942 reais na venda.

O Banco Central fará neste pregão leilão de swap tradicional para rolagem de até 12 mil contratos com vencimento em março e julho de 2021.

Na semana passada, a autarquia marcou presença nos mercados de câmbio, inclusive com a venda de moeda à vista, movimento que foi visto como essencial por muitos analistas diante da divergência entre o movimento do real e seus pares internacionais.

“Devemos continuar com o BC vigilante, já que uma nova rodada de desvalorização do real pode prejudicar a economia e afetar a saúde das empresas, que há tempo convivem com uma moeda volátil e desvalorizada, sem espaço pra repassar esse movimento cambial para os preços, consequentemente afetando a economia mais ampla”, observou Rostagno.

Fonte: Read More

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on skype
Share on email

Fale com um Consultor

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.

Informe os dados abaixo para receber um diagnóstico sem compromisso direto em seu WhatsApp!

Ligamos pra você!

Informe seus dados de contato para receber a ligação de um dos nossos consultores nos próximos minutos.

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.