Saiba como a WTM do Brasil pode ajudar sua empresa a Regularizar os Dados das suas Declarações na DIRF desse ano.

Novo Marco Cambial: quais as vantagens para o comércio exterior, como isso afeta investimentos e a vida cotidiana

A nova lei flexibiliza a troca de moedas e se torna essencial para o comércio exterior, investimentos internacionais e viagens domésticas.

 

No último dia de 2022 entrou em vigor a lei 14.286, sancionada em 2021, a Lei de Câmbio e Capitais Internacionais, também chamada de Novo Marco Cambial. O texto altera as estruturas do câmbio nacional, facilitando a transação de moedas estrangeiras no Brasil, a forma como as contas são prestadas, dentre outros tópicos.

 

O avanço atual substitui um marco elaborado em 1920, ainda que atualizado nos últimos 100 anos, não estava à altura da complexidade e tamanho da economia global contemporânea. A criação de um novo marco cambial moderniza as operações internacionais, nos colocando no cenário global de maneira competitiva, e firmando de modo ainda mais assertivo a vontade de fazer negócios para além das nossas fronteiras.

 

Leia também: Fim da dupla tributação entre Brasil e Polônia promete melhorias no âmbito econômico.

 

O que muda para o Comércio Exterior?

 

Não é novidade que a burocracia e complexidade para colocar nossos produtos e serviços nas prateleiras do mundo são muitas. Contudo, o Novo Marco Legal chega trazendo bons ventos ao setor. O ambiente de negócios, antes centralizado na figura do Banco Central, agora se torna um agente com perfil mais regulador do que controlador das operações.

 

O que se espera é que o novo marco não apenas substitua a regulação anterior (que possuía cerca de 40 leis e 440 artigos de mais de um século), mas que atualize e descomplique processos para o setor. Remessas de capital entre nações terão procedimentos menos burocráticos, agilizando operações cambiais. 

 

A nova lei coloca empresas e bancos sob os holofotes, sendo protagonistas e atuando de modo autônomo para transações cambiais de exportadores, importadores e agentes financeiros. O marco também oferece segurança jurídica para negócios, autorizando empresas a abertura de novos mercados e consequentemente, atraindo investimentos.

 

Ao simplificar as operações cambiais, o novo marco abre chances para redução de custos no comércio exterior, auxiliando todo o setor a compensar o valor alto do mercado brasileiro, além de trazer mais investimentos. Além disso, abrindo mão do controle e oferecendo mais liberdade a bancos, organizações financeiras e fintechs, o mercado tenderá a ser mais competitivo, obrigando o próprio setor a oferecer melhores soluções e assim, refletindo em vantagens para quem está na outra ponta da linha.

 

O que muda para clientes, consumidores e viajantes?

 

Novo Marco Cambial: quais as vantagens, como isso afeta os investimentos e a vida cotidiana

 

O novo marco cambial traz consigo outros pontos importantes, não apenas para o comércio exterior, mas também para o cidadão comum. O principal deles é o novo limite que cada pessoa pode possuir em viagens internacionais (tanto para quem entra como para quem sai do Brasil), que anteriormente era de 10 mil reais e passa a ser de 10 mil dólares (mais de R$50 mil na cotação atual). O valor atual é um reajuste de mais de 500%, corrigindo o que tinha estabelecido em 1994, ano de nascimento do Plano Real.

 

A nova lei também faz parte diretamente do processo de modernização bancária brasileira iniciado em 2021, o Open Finance. Neste caso, a facilitação entre transações de moedas estrangeiras será o ponto de partida para o Pix Internacional, permitindo transações instantâneas entre brasileiros com pessoas físicas ou jurídicas ao redor do mundo.

 

O processo desta solução exige uma conciliação entre as leis daqui com a de outros países, o que certamente levará mais tempo para estar em pleno funcionamento. Desse modo, a nova lei cambial é um dos passos iniciais mais importantes para a aplicação prática e efetiva dessa nova modalidade de pagamento.

 

Para saber mais sobre Comércio Exterior e atualizações do setor, acompanhe nosso blog.

 

Fonte: InfoMoney; CNN Brasil

Gostou? Compartilhe!

[Curso] Como e por que declarar na DIRF e ECF as transações de serviços com o exterior?

Mais de 90% das empresas omitiram Serviços do Exterior na DIRF 2021 e vão repetir o erro na ECF. Na maioria dos casos essas operações foram omitidas por problemas de comunicação entre quem contrata e quem paga esses serviços, pois a informação e os documentos não chegam com qualidade para a área contábil…

[Curso] Como e por que declarar na DIRF e ECF as transações de serviços com o exterior?

Mais de 90% das empresas omitiram Serviços do Exterior na DIRF 2021 e vão repetir o erro na ECF. Na maioria dos casos essas operações foram omitidas por problemas de comunicação entre quem contrata e quem paga esses serviços, pois a informação e os documentos não chegam com qualidade para a área contábil…

Quer ter acesso a
materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

Quer ter acesso a materiais gratuitos?

Cadastre-se em nossa Newsletter:

Consultoria gratuita

Informe seus dados e comece a decolagem da sua empresa com a WTM International.
  • Hidden
  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.